Presa quadrilha responsável por explosões a caixas eletrônicos na Grande Goiânia

Foram presos seis suspeitos de terem cometido ataques a bancos de Goiânia, Trindade e Goianira; dois dos integrantes do grupo já haviam sido presos pelo mesmo crime

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Polícia Civil, por meio do Grupo Antirroubo a Bancos da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GAB/DEIC), desarticulou a quadrilha responsável por pelo menos cinco explosões a caixas eletrônicos ocorridas durante o mês de julho em Goiânia e na Região Metropolitana. Foram dois meses de investigação que resultaram em seis mandados de prisão preventiva na última sexta-feira (22/7).

O grupo foi apresentado nesta segunda-feira (25), durante uma coletiva de imprensa. O vice-governador e secretário de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), José Eliton (PSDB), destacou o alto número de resolução de casos pela Polícia Civil e a integração das forças policiais.

O titular da SSPAP ressaltou ainda que investigações como a que resultou na prisão da quadrilha exigem investimento em tecnologia e inteligência, o que está sendo feito pela Secretaria.

Seis pessoas foram presas no Residencial Tempo Novo, em Goiânia, e no Setor Maysa, em Trindade, enquanto, de acordo com a polícia, se preparavam para uma outra ação: explodiriam, ao mesmo tempo, dois bancos em Palmeiras de Goiás, cidade a cerca de 80 quilômetros da capital. Foram encontrados com eles cinco quilos de explosivos, um simulacro de arma de fogo e o carro utilizado para cometer os crimes, um Honda Civic.

Dois dos suspeitos já haviam sido detidos no ano passado pelo GAB/DEIC pelo mesmo crime. Todos são considerados criminosos de alta periculosidade e já praticaram roubos a bancos, roubos de cargas, sequestros e homicídios.

Em um vídeo obtido por agentes do GAB/DEIC, durante uma tentativa de roubo a um banco no Setor Rodoviário é possível ver a explosão dos caixas eletrônicos e, em seguida, um dos integrantes do grupo afirmar “Já era! Agora é só contar!”, em referência ao dinheiro que iria ser recolhido. Entretanto, essa tentativa de roubo fracassou e eles não levaram nada.

O delegado titular do GAB explicou que esses criminosos são constantemente monitorados. “Monitoramos porque a chance de reincidência é muito grande e com esse grupo não foi diferente”. Muitas vezes, ao serem soltos, acabam articulando entre si e formando outras organizações criminosas.

Mudanças na legislação

Segundo o vice-governador, nos últimos tempos tem havido um forte declínio nos indicadores de violência. Seria possível avançar mais ainda nesse sentido, defendeu Eliton, se houvesse um endurecimento na legislação penal.

Ele também garantiu que as ações de enfrentamento ao crime vão continuar firmes. “Não vamos nos afastar um milímetro dessa linha de atuação”, declarou.

Nos últimos quatro meses, o GAB/DEIC já desarticulou nove organizações de roubo a bancos, prendendo 45 pessoas. A ação conjunta entre as forças policiais busca desarticular sistematicamente grupos criminosos que atuem dessa maneira.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.