Preparação para o Enem deve levar em consideração rotina da quarentena; Veja como se adaptar

Mesmo apontando não ser ideal a decisão que manteve as datas da prova, especialista dá dicas de como driblar as dificuldades de estudar integralmente em casa 

Foto: Reprodução

Após as inúmeras pressões para adiar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Ministério da Educação (MEC) ratificou as datas da prova, já tendo dado inicio ao período de inscrições, que segue até o dia 22 deste mês. Entre as incertezas que ainda se mantém, resta aos estudantes que podem acessar a preparação em casa, se adaptarem à nova dinâmica de estudos.

O Jornal Opção conversou com o professor Carlos André, especialista em preparatório do Enem em Goiânia e elencou as principais questões sobre o tema. Entre os pontos destacados pelo professor estão os problemas em manter as datas e as possíveis técnicas que podem ser colocadas em prática neste período.

Professor Carlos André | Foto: Arquivo Pessoal

“Mesmo que até novembro nós tenhamos resolvido esse problema, a questão é que a prova prevê uma preparação. Todo o sistema educacional, seja ensino público – ainda muito pior – ou o particular, não estão conseguindo organizar de maneira que eles possam gerar eficácia nos estudos”, destaca o professor.

O resultado deve ser de maior desnível entre as notas dos alunos de cada classe social, aponta Carlos André. “A verdade é que isso deve aumentar a desigualdade entre os alunos que têm acesso a preparação e os que não tem. Essa não é a ideia, a ideia é o inverso, onde o objetivo do Enem é melhorar o nível da educação brasileira”, salienta.

Como se orientar

Partido para as dicas aos estudantes que conseguem ter acesso às atividades digitais e ou físicas durante a quarentena, o professor diz que a palavra chave é “disciplina”. Apesar de em um primeiro momento a dica ser clara, o educador expõe de que maneira realmente é possível coloca-la em prática.

O estudante deve buscar ser o mais fiel possível à rotina de estudos tradicional, explica o professor, incluindo nesse processo ter horário para levantar e até mesmo trocar de roupa, deixando de lado o pijama na hora de estudar. Sobre os materiais, Carlos André destaca que além dos conteúdos possivelmente disponíveis ao estudante, como apostilas, a dica em focar na resolução das provas anteriores ainda é uma ótima ferramenta acessível.

“Quem tem acesso às aulas online deve faze-las e quem não tem deve verificar e estudar assunto por assunto da mesma forma como se ele tivesse na escola”, acrescenta o especialista.

O estudante Leandro Damascena, que se prepara para prestar a prova, relata os impactos na rotina após o inicio da pandemia. Até o mês de março ele alugava uma sala de estudos, onde tinha suporte físico para se dedicar ao preparatório. Com o local fechado, busca agora se adequar à rotina de toda a família para seguir focado em seu sonho.

“Individualmente eu acho possível me preparar para a prova em novembro, mas sei que não reflete a realidade de todos” – Leandro Damacena.

 

 

Extrair bons momentos 

A casa não precisa ser um obstáculo e os momentos com a família devem ser aproveitados, orienta o professor Carlos André.

“É fundamental que o estudo esteja cercado de um aspecto emocional, com a família. O estudante deve conversar mais durante o período de isolamento social, coisas simples como histórias de infância. Esse pode ser o grande diferencial para acabar com a monotonia”.

Com a nova rotina, o estudante Leandro diz que as principais dicas que está colocando em prática e que pode ser útil para outros candidatos se concentram em foco nas matérias que mais caem no exame e nas que geram maiores notas no curso desejado. “Além do foco na redação, que é um diferencial e que aumenta a sua média”, acrescenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.