Prefeitura de Goiânia teria optado por serviço mais caro na compra de software

Paço dispensou licitação e não deu preferência à empresa que ofereceu a tecnologia de agendamento de exames pelo menor preço. Denúncia é do vereador Clécio Alves

Clécio Alves | Foto: Alberto Maia

O vereador Clécio Alves (MDB) subiu à tribuna do plenário da Câmara Municipal na manhã desta terça-feira (13/3) para denunciar que a Prefeitura de Goiânia teria gasto um valor superior ao necessário na compra do novo programa de agendamento de exames da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Segundo o parlamentar, o software comprado sem licitação pela prefeitura por R$ 4,2 milhões teria sido oferecido por uma outra empresa de Minas Gerais pelo valor de R$ 3,5 milhões.

Diante disso, o emedebista, que também é presidente da Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Saúde, disse que o contrato será alvo de investigação do colegiado.

O novo sistema que substituiu o antigo “chequinho” passou a funcionar em dezembro do ano passado. Apesar de ter sido apresentado pela gestão do prefeito Iris Rezende (MDB) como o fim das filas para agendamentos de exames, o usuários do sistema público de saúde continuam enfrentando dificuldades em Goiânia.

O Jornal Opção entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para esclarecimentos sobre a compra da tecnologia e a matéria será alterada assim que obtiver resposta.

Deixe um comentário