Prefeito de Guapó se desfilia do PMDB após recuo de Friboi

Luiz Juvêncio era filiado ao PMDB desde 1974. Ex-peemedebista não poupou críticas à ala irista e ao próprio empresário

Luiz Juvêncio: “Não voto no Marconi, não apoio o PT, nem o PSB. Eu apoiava o PMDB” | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Luiz Juvêncio: “Não voto no Marconi, não apoio o PT, nem o PSB. Eu apoiava o PMDB” | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O recuo de Júnior Friboi em sua pré-candidatura, anunciada em carta regada de ressentimento, já começa a causar efeito — negativo ao PMDB, diga-se de passagem. Nesta sexta-feira (23/5), logo pela manhã, o partido perdeu um prefeito: Luiz Juvêncio, de Guapó. O ex-peemedebista protocolou sua desfiliação na sede do diretório da legenda, no Setor Aeroporto.

Em entrevista ao Jornal Opção Online, Luiz Juvêncio não disfarçou seu descontentamento com a atitude de Friboi, a quem apoiava, e disse que outros prefeitos devem fazer o mesmo, “ou pior, cruzar os braços”. O prefeito, que diz neste primeiro momento que não quer se filiar a nenhum outro partido, demonstrou ainda desânimo com a política e afirmou que pretende cumprir este mandato até o final e depois deixar a vida pública.

Perguntando se não estaria sendo muito radical ou precipitado, Juvêncio disse: “De maneira nenhuma, não tive ajuda nenhuma do PMDB para ser eleito.” O prefeito é filiado à sigla desde 1974, quando ainda era MDB. “São mais de 20 anos de PMDB”, pontuou ele, que também era membro da executiva e do diretório municipal de Guapó.

Assim como ocorreu com vários iristas e o próprio Iris Rezende, e até com outros friboizistas, a decisão de Júnior Friboi pegou Luiz Juvêncio de surpresa. “Não conversei com ele sobre isso, ele não me consultou.” Para o ex-peemedebista, Júnior Friboi cometeu um erro, visto que Iris havia recuado e o empresário contava com apoio de quatro de cinco deputados federais da legenda e da maioria dos prefeitos. Sobre prováveis outros prefeitos que possam vir a se desfiliar, Juvêncio preferiu não responder. “É algo pessoal.”

Também não faltaram críticas ao líder peemedebista Iris Rezende. Juvêncio classificou de desonestidade o recuo entre aspas do ex-prefeito, já que estaria se movimentando nos bastidores. “O Iris está querendo é eleger o Marconi [Perillo]. Na idade dele tinha era que pegar o Marconi para filho político dele”, asseverou o prefeito, no sentido de que o PMDB segue para nova derrota. Na sequência, citou os casos de pessoas que teriam deixado o PMDB devido o que disse ser autoritarismo do político, entre os quais Vanderlan Cardoso (PSB) e Henrique Meirelles. Na avaliação de Juvêncio, a saída de Friboi do páreo prejudica a formatação da chapa proporcional peemedebista, pois nomes que sairiam para deputado estadual e federal também devem recuar.

O prefeito classificou de perseguição a atuação da ala pró-Iris e disse que os iristas fizeram tudo o que puderam em nome de interesses próprios. Luiz Juvêncio arrematou a entrevista dizendo que não apoiará ninguém nessas eleições. “Não voto no Marconi, não apoio o PT, nem o PSB. Eu apoiava o PMDB”, sentenciou.

Deixe um comentário