Pré-candidato ao governo, policial gay defende desmilitarização da PM

Em entrevista ao Jornal Opção, o mestre em Direitos Humanos confirma que fará da pauta LGBT uma de suas bandeiras, mas vai bem além disso

Reprodução/Facebook

Anunciado pelo PSOL como a primeira pessoa assumidamente gay a disputar o governo de Goiás, o PM da reserva e agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Fabrício Rosa não vê problemas com a alcunha de “policial gay” atribuída a ele, mas espera não ser reduzido à classificação.

Em entrevista ao Jornal Opção nesta segunda-feira (5/3), o pré-candidato confirma que fará da pauta LGBT uma de suas bandeiras e pontua que já será um grande ganho se o assunto vier à tona durante o debate eleitoral. “Trata-se da minha própria existência. Já sofri muito por ser gay, fui expulso de casa e não quero que isso aconteça com outras pessoas. Esta é uma pauta civilizatória”, comenta.

A agenda de Frabrício, no entanto, vai muito além das questões referentes à sexualidade. Atuante em diversos movimentos sociais e mestre em Direitos Humanos, o socialista também milita a favor da descriminalização da maconha e da desmilitarização da PM.

“O policial tem que ser treinado para a cidadania. Por mais que vivamos em um país violento, há excessos que precisam ser combatidos. E não sou exceção: 80% dos policiais militares são a favor da desmilitarização. O que acontece é que a militarização impede que o grosso da polícia – os soldados – exerça seu direito de expressão”, defende.

Uma educação pública livre do interesse privado e uma maior participação social na Saúde e demais áreas da administração pública são outras bandeiras do socialista.

Candidato a vereador por Goiânia em 2016, Fabrício conta que resolveu entrar na política movido por um desejo de fazer mais e escolheu o PSOL por entender que a legenda possui um histórico exemplar no combate à corrupção. “É o partido que tem menos denúncias de corrupção. Desde que rachou com o PT, há 15 anos, criou ferramentas para combater a corrupção e nunca aceitou investimento de empresários”, destacou.

Atuação

Bacharel em Segurança Pública e em Direito, pós-graduado em Direito Público e mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Fabrício trabalha em um setor da PRF que atua especialmente no enfrentamento a crimes como a violência sexual contra crianças e adolescentes, o trabalho escravo, o tráfico de pessoas e o trabalho infantil.

Membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Fabrício é um crítico das atuais formas de se fazer segurança que, em sua visão, são populistas, pois “jogam para a plateia” em busca de
resultados eleitorais e não resolvem o problema de fato, que, para ele, tem fundo social.

Ele atua em diversos movimentos sociais sobre segurança pública como a Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBT (RENOSP), o grupo “Policiais Antifascismo”, a Law Enforcement Against Prohibition (LEAP), além de atuar em coletivos que lidam com questões sociais como migração, reforma agrária, população em situação de rua, pacificação social, dentre outros.

3 respostas para “Pré-candidato ao governo, policial gay defende desmilitarização da PM”

  1. Edson Amaro de Souza disse:

    Como ele chegou à reserva tão jovem?

  2. Gelson disse:

    Se Bolsonaro é criminoso, eu sou cúmplice. O colega que me perdoe, mas soa um pouco estranho alguem que apoia Boulos, chamar o Bolsonaro de criminoso.

  3. Joel disse:

    Só defende o que não presta: descriminalização da maconha, conduta de viado, etc.
    Caso o Bolsonaro não ganhar está eleição, estaremos ferrados com estes esquerdistas de merda.
    Energumenos que não aceitam limites nem regras para se viver.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.