Pré-candidato ao governo, policial gay defende desmilitarização da PM

Em entrevista ao Jornal Opção, o mestre em Direitos Humanos confirma que fará da pauta LGBT uma de suas bandeiras, mas vai bem além disso

Reprodução/Facebook

Anunciado pelo PSOL como a primeira pessoa assumidamente gay a disputar o governo de Goiás, o PM da reserva e agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Fabrício Rosa não vê problemas com a alcunha de “policial gay” atribuída a ele, mas espera não ser reduzido à classificação.

Em entrevista ao Jornal Opção nesta segunda-feira (5/3), o pré-candidato confirma que fará da pauta LGBT uma de suas bandeiras e pontua que já será um grande ganho se o assunto vier à tona durante o debate eleitoral. “Trata-se da minha própria existência. Já sofri muito por ser gay, fui expulso de casa e não quero que isso aconteça com outras pessoas. Esta é uma pauta civilizatória”, comenta.

A agenda de Frabrício, no entanto, vai muito além das questões referentes à sexualidade. Atuante em diversos movimentos sociais e mestre em Direitos Humanos, o socialista também milita a favor da descriminalização da maconha e da desmilitarização da PM.

“O policial tem que ser treinado para a cidadania. Por mais que vivamos em um país violento, há excessos que precisam ser combatidos. E não sou exceção: 80% dos policiais militares são a favor da desmilitarização. O que acontece é que a militarização impede que o grosso da polícia – os soldados – exerça seu direito de expressão”, defende.

Uma educação pública livre do interesse privado e uma maior participação social na Saúde e demais áreas da administração pública são outras bandeiras do socialista.

Candidato a vereador por Goiânia em 2016, Fabrício conta que resolveu entrar na política movido por um desejo de fazer mais e escolheu o PSOL por entender que a legenda possui um histórico exemplar no combate à corrupção. “É o partido que tem menos denúncias de corrupção. Desde que rachou com o PT, há 15 anos, criou ferramentas para combater a corrupção e nunca aceitou investimento de empresários”, destacou.

Atuação

Bacharel em Segurança Pública e em Direito, pós-graduado em Direito Público e mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Fabrício trabalha em um setor da PRF que atua especialmente no enfrentamento a crimes como a violência sexual contra crianças e adolescentes, o trabalho escravo, o tráfico de pessoas e o trabalho infantil.

Membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Fabrício é um crítico das atuais formas de se fazer segurança que, em sua visão, são populistas, pois “jogam para a plateia” em busca de
resultados eleitorais e não resolvem o problema de fato, que, para ele, tem fundo social.

Ele atua em diversos movimentos sociais sobre segurança pública como a Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBT (RENOSP), o grupo “Policiais Antifascismo”, a Law Enforcement Against Prohibition (LEAP), além de atuar em coletivos que lidam com questões sociais como migração, reforma agrária, população em situação de rua, pacificação social, dentre outros.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Edson Amaro de Souza

Como ele chegou à reserva tão jovem?

Gelson

Se Bolsonaro é criminoso, eu sou cúmplice. O colega que me perdoe, mas soa um pouco estranho alguem que apoia Boulos, chamar o Bolsonaro de criminoso.

Joel

Só defende o que não presta: descriminalização da maconha, conduta de viado, etc.
Caso o Bolsonaro não ganhar está eleição, estaremos ferrados com estes esquerdistas de merda.
Energumenos que não aceitam limites nem regras para se viver.