Ex-ministro decidiu se filiar ao MDB e deve disputar o cargo de vice-governador de São Paulo, na chapa de Rodrigo Garcia

O ex-ministro e, agora, ex-secretário da Fazenda e Planejamento do Governo de São Paulo, Henrique Meirelles, divulgou uma carta direcionada ‘aos goianos’. No comunicado, ele se despede do Partido Social Democrático (PSD) e comentou sobre a intenção de se candidatar ao Senado por Goiás, destacando que recebeu “com muita honra” as pesquisas eleitorais que o colocava como preferido do eleitorado do Estado para conquistar a cadeira de senador. Apesar disso, ele desistiu da disputa, como já era esperado.

Meirelles, que era um dos principais auxiliadores do governo João Doria (PSDB), visitou Goiás por duas vezes neste ano para reafirmar que era pré-candidato ao Senado. A primeira oportunidade ocorreu em fevereiro, quando fez conversas internas com integrantes do partido, recebeu prefeitos e vereadores de cidades do interior. Na última visita, na última terça-feira, 29, o ex-ministro veio para anunciar a desistência da pré-candidatura. 

“Nas últimas semanas, ponderei sobre a possibilidade de ser candidato e, caso fosse essa a vontade do povo goiano, representar o nosso Estado no Congresso Nacional. No entanto, entendo que posso contribuir mais, para Goiás e o Brasil, trabalhando por um plano econômico que recoloque o País no eixo da prosperidade, que deixe de vez no passado o medo da inflação e da recessão”, cita trecho da nota. O goiano se filiou ao MDB e tem o nome ventilado para ser o candidato a vice-governador na chapa de Rodrigo Garcia (PSDB-SP). A hipótese foi antecipada pelo Jornal Opção.

Carta de Henrique Meirelles na íntegra 

Aos goianos

No ano passado, eu tive a honra de ser convidado pelos amigos do PSD a me filiar ao partido e considerar a possibilidade de ser candidato a senador pelo nosso Estado. Nestes meses, eu tive o prazer de voltar às minhas raízes, revigorar meus laços e ouvir a sociedade de Goiás sobre seus desafios e sonhos. Cada retorno ao nosso Estado me deixa com mais certeza das potencialidades de Goiás e do nosso povo. 

Foi com muita honra que recebi pesquisas me apontando como um dos preferidos em uma eventual disputa ao Senado, demonstrando o quão profundas são as nossas ligações. Tenho orgulho de ser filho de Goiás. 

Esse orgulho seguiu comigo ainda jovem em São Paulo, onde iniciei a minha carreira no mercado financeiro. E nos Estados Unidos, onde fui o primeiro não-americano a presidir uma instituição financeira global. Igualmente me acompanhou em Brasília, onde assumi funções públicas relevantes, primeiro como o presidente do Banco Central que mais tempo permaneceu no cargo e depois como ministro da Fazenda. Quando ajudei o País a superar as graves crises econômicas de 2003, 2008 e 2016, e com isto os goianos também foram muito beneficiados.

Nas últimas semanas, ponderei sobre a possibilidade de ser candidato e, caso fosse essa a vontade do povo goiano, representar o nosso Estado no Congresso Nacional. No entanto, entendo que posso contribuir mais, para Goiás e o Brasil, trabalhando por um plano econômico que recoloque o País no eixo da prosperidade, que deixe de vez no passado o medo da inflação e da recessão. Assim como contribuí como presidente do Banco Central e Ministro da Fazenda para superarmos obstáculos que muitos consideravam intransponíveis, quero agora contribuir para um programa de governo realista, que prometa só o que pode ser cumprido, e que permita aos brasileiros e aos goianos retomar o caminho do crescimento sustentável.

Vou seguir acompanhando a política goiana e defendendo os interesses de todos os goianos em outras instâncias, seja no setor público, seja no setor privado. Goiás está acima dos partidos, das divergências e das vontades particulares. Vamos em frente!