Só nesta segunda-feira (3/4), mais de 30% dos médicos não compareceram às unidades de saúde da capital

O imbróglio entre a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e os médicos credenciados continua gerando transtornos para a população de Goiânia. Segundo informações da SMS, nesta segunda-feira (3/4), cerca de 34% dos médicos faltaram: dos 49 escalados, 17 não compareceram aos Cais.

[relacionadas artigos=” 91020,90856 “]

Assim, o atendimento aos pacientes continua sendo prejudicado. Médicos ouvidos pelo Jornal Opção na última sexta-feira (31/3) já haviam adiantado que não prestariam mais serviço para o município.

O impasse entre os médicos e a prefeitura vem desde o último dia 23 de março, quando foi publicado no Diário Oficial do Município um edital de chamamento para médicos. Com a publicação, os profissionais que estavam credenciados entenderam que tiveram seus contratos rescindidos, o que foi negado pela SMS.

O edital causou polêmica e a categoria considerou o novo contrato lesivo aos direitos trabalhistas da classe. Após assembleia, os médicos esperavam que a prefeitura prorrogasse os contratos atuais para garantir o atendimento à população até que novo acordo fosse feito.

Entretanto, a SMS não atendeu à solicitação da categoria e não prorrogou os contratos como afirmou que os profissionais credenciados deveriam continuar os atendimentos até o dia 22 de abril. Do outro lado, os médicos entenderam que, com a manutenção do edital de chamamento definida na sexta-feira (31), os contratos com a prefeitura se encerraram no sábado (1°).

Mesmo assim, a titular da pasta, Fátima Mrué, anunciou na sexta-feira (31) que os médicos deveriam seguir as escalas publicadas no site da prefeitura. Já no sábado (1º) médicos informaram que as escalas estariam erradas. A informação era de que diretores médicos teriam avisado em grupos de Whatsapp que a escala válida não seria a publicada pela prefeitura, mas a que já estava vigente.

Como uma forma de “completar” as escalas, os médicos concursados também foram chamados. Só que haveria até casos de médicos que estão de férias e aparecem na escala publicada pela secretaria.