Por conta da greve, Ceasa de Anápolis enfrenta baixo estoque de alimentos

Titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico Agricultura e Turismo afirma que município pode sofrer danos econômicos irreparáveis se paralisação continuar

Foto: Reprodução/Facebook

Mariana Müller,

Especial para o Jornal Opção

Por conta da greve dos caminhoneiros, que chega ao oitavo dia nesta segunda-feira (28/5), Anápolis enfrenta baixo estoque de alimentos no Ceasa. Além do desbastecimento, o município está sem combustível em alguns postos e tem que lidar com o fechamento de alguns estabelecimentos comerciais por falta de gás de cozinha.

De acordo com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico Agricultura e Turismo (SEMDEAT), a paralisação já está causando perdas de produção. O titular da pasta, Adriano Baldy, diz que existe o temor de que Anápolis possa sofrer danos econômicos irreparáveis caso os trabalhadores continuem parados.

“O aumento incessante do preço do combustível é sem dúvida um grande problema para a produção agrícola, porém a manutenção de uma greve com essa proporção pode causar danos ainda maiores e irreversíveis para nossa economia que se encontra fragilizada”, afirmou o secretário em nota.

A expectativa da secretaria é que aja, o quanto antes, um entendimento entre os trabalhadores e o governo para que a situação volte à normalidade.

Merenda

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (Semed), as escolas e creches municipais da cidade passarão a ter aulas parciais caso a distribuição de gás e merenda escolar sejam prejudicados com a greve dos caminhoneiros.

Segundo a secretaria, porém, no momento, não falta alimentação aos alunos da rede municipal. “Contudo, se persistir a situação atual, há a possibilidade de que nos próximos dias essa distribuição comece a ser afetada”, adianta.

Ainda segundo a pasta, o estoque da merenda escolar já está sendo monitorado.

Deixe um comentário