População fica ilhada em distrito do norte goiano

Após interdição da balsa, moradores precisam percorrer mais de 100 quilômetros para chegar até cidade mais próxima. Antes, a travessia era de 12

Foto: divulgação

Desde a última quarta-feira, 30, a população do distrito de Lavrinhas de São Sebastião, no norte goiano, está sofrendo com o isolamento e com dificuldade de acesso à cidade sede, São Luiz do Norte. Isso porque uma balsa que fazia ligação entre a cidade e o distrito foi interditada pela Marinha por falta de manutenção.

Por não existir ponte entre o distrito e o município, que são separados pelo Rio da Almas, a balsa era a melhor opção via GO-338. Após a interdição, a população precisa dar uma volta de mais de 100 quilômetros, pela BR-153, para atividades simples, como ir ao trabalho e à escola. O percurso pelo caminho anterior era de 12 km.

Segundo Selmo Luiz Correia, 46 anos, o balseiro que comandou o trajeto de 1992 até o dia da interdição, a Ética – empresa responsável por sua manutenção – abandonou o trabalho no dia 11 de outubro por falta de pagamento da Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra), antiga Agetop. “Eles nos avisaram, nós cumprimos aviso e o serviço foi encerrado.

O balseiro Luiz explica que para a população não ter prejuízo, eles resolveram continuar fazendo a travessia por conta própria e com ajuda da população para o abastecimento. Ele passou a cobrar R$ 5,00 por moto e R$ 10,00 por carro para arcar com os custos e continuar a fazer a travessia. Antes da interdição, o serviço chegou a atender cerca de 500 pessoas por dia.

Em nota a assessoria de comunicação da Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra) disse que já está em contato com a Marinha para liberação da balsa. Segundo o órgão uma equipe foi até a região para realizar os procedimentos técnicos necessários.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nilson Gomes

Já saiu dinheiro federal duas vezes para fazer essa ponte. Os ladrões deixaram só o suficiente para fazer as cabeceiras