Deteriorados, pontos de ônibus da Capital oferecem perigo a usuários do transporte coletivo

Processo licitatório para terceirização dos abrigos se arrasta há mais de três anos. Para vereador, Poder Público “não colabora com o cidadão”

Parada de ônibus localizada na Avenida Marechal Rondon, Setor Fama / Foto: Fernando Leite/Jornal Opção
Parada de ônibus localizada na Avenida Marechal Rondon, Setor Fama / Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Abandonados. Esta é a palavra que melhor define a situação dos pontos de ônibus da capital. As estruturas que, em tese, deveriam oferecer proteção aos usuários do transporte coletivo soam mais como uma grande ameaça. A impressão é de que, a qualquer momento, algumas estruturas poderão ceder e atingir aqueles que nelas procuram abrigo.

A maioria delas já foram tomadas pelo desgaste decorrente da falta de manutenção atrelada ao tempo de uso. O ideal seria que esses espaços oferecessem mais proteção e conforto aos passageiros.

O Poder Público até poderia entregar os “pontos” e colocar a responsabilidade nas mãos de uma empresa privada. Há, inclusive, um processo de licitação nesse sentido. Acontece que ele aguarda, desde 2017, pela celeridade da Prefeitura de Goiânia.

A ideia seria que a manutenção e construção desses abrigos ficassem a cargo de uma empresa que, em troca, poderia explorar os pontos com publicidade. Ou seja, é uma relação de ganhos. A empresa vencedora do processo de licitação ganharia o direito de fazer seus anúncios, ao passo em que a prefeitura ganharia o direito de ser omissa à administração e manutenção. Por fim, o usuário — o mais interessado e atingido — ganharia mais dignidade enquanto espera pelo transporte.

Parada em situação de abandono / Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Acontece que esse projeto parece ter sido abandonado pelo Poder Público que não quis comentar sobre o assunto. Haja vista que o Jornal Opção procurou por diversas vezes a Prefeitura de Goiânia, mas até o fechamento dessa reportagem, não obteve respostas para nenhum dos questionamentos enviados.

Sem os devidos reparos, os usuários continuarão expostos, não só ao sol e a chuva, mas também aos perigos recorrentes. Não é preciso muito para que se perceba o protagonismo dos assentos amassados ou quebrados, das coberturas precárias, da ferrugem e pichação, além da falta de iluminação.

Em entrevista ao Jornal Opção, o vereador Lucas Kitão (PSL) não escondeu o sentimento de pesar. “Sabemos que Goiânia é uma cidade que tem tudo para dar certo e infelizmente o Poder Público não colabora com o cidadão”, lamentou.

Lucas Kitão: ”
“Talvez por ter sido iniciado na gestão passada (processo de licitação) não seja de interesse desse governo continuar por questões políticas” | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

“Talvez por ter sido iniciado na gestão passada [o processo de licitação] não seja de interesse desse governo continuar por questões políticas. Não há outra explicação”, considerou o parlamentar que disparou em seguida: “não haveria uma maneira melhor do que terceirizar essa manutenção e construir novos abrigos”.

Ele explica que a terceirização tem como contrapartida “apenas a permissão de que a empresa faça mídia”. “É uma ideia boa e barata; simples e criativa. Acho que a cidade pode melhorar com ideias modernas como essa”, finalizou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

oliveira

Foi se o tempo que o transporte publico coletivo em Goiania era confiavel. A Transurb fazia toda a infra-estrutura do ponto de onibus e ainda instalava. Cmtc ganha do sistema uma merreca de porcentagem para fazer pouca coisa.
O que a CDTC deveria ver era a recompra dos creditos do sitpass.

marcosadriano39@hotmail.com

Parabéns aos eleitores do Prefeito Iris , vocês também são culpados , desta péssima administração ,o elegeram.
Portanto , não tem o direito de reclamar.