“Ela só falava que queria morrer”, diz policial que evitou que mulher se jogasse de viaduto

Em cinco anos como policial militar, tenente Eduardo explicou que é a primeira situação do tipo que encara

Na noite do último sábado (5/12), o tenente Eduardo e mais três policiais faziam patrulhamento na GO-040 quando, de longe, viram uma mulher no parapeito do viaduto na rodovia, próximo ao Setor Garavelo B, em Goiânia. O carro logo deu a volta e o tenente tentou se aproximar da mulher, visivelmente alterada. “Ela só falava que queria morrer a todo momento”, disse Eduardo, que evitou que a mulher se jogasse do viaduto.

Em entrevista ao Jornal Opção, ele explicou que não imaginava que no dia em que completou um ano na Rotam e 5 anos como policial militar encontraria uma situação como esta. “É totalmente diferente. A gente está mais preparado para lidar com bandido, troca de tiros. Mas o treinamento ajudou muito a manter a calma”, explicou.

Os policiais logo isolaram a área enquanto Eduardo se aproximou da mulher. Ele explicou que são instruídos a ficarem no local conversando com a pessoa enquanto aguardam a chegada do negociador, treinado especificamente para este tipo de situação. Entretanto, ao avaliar o momento, percebeu que não haveria tempo suficiente. Por isso, deu início à ação conversando com a mulher, tentando acalmá-la e ganhando sua confiança.

Foram 20 minutos de tensão. Ela chorava, dizia pelo telefone ao namorado que iria se jogar, e não conversava com o tenente. Em um momento, ele conseguiu convencê-la a passar o celular e deixá-lo conversar com o namorado. “Nessa hora, eu estava preocupado em ganhar tempo”, explicou.

Pelo telefone, o namorado disse que os dois haviam brigado e ela sofria de depressão. Ao tenente, a mulher explicou que teve quatro filhos, mas que todos morreram nos primeiros meses de vida. Alcoolizada, ela ameaçava a todo momento que iria se jogar. “Às vezes ela nem falava nada com nada. Eu conversei e conversei, mas ela estava irredutível”, recordou o tenente.

Foi, então, em um momento de distração da mulher, que ele se jogou sobre ela e a puxou do parapeito. “Eu vi que teria que agir, porque senão poderia acontecer uma tragédia.” Posteriormente, a mulher foi encaminhada pelo Corpo de Bombeiros ao Hospital Wassily Chuc. Confira abaixo o momento em que Eduardo salva a mulher:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.