Policiais presos na Operação Circo da Morte são denunciados por dois homicídios

Denúncia do MP-GO é baseada em inquérito da Polícia Civil de Goiás, o qual relata que cinco policiais, dentre eles, Carlos Eduardo Belelli, que foi candidato a deputado em 2018

Carlos Eduardo Belelli é acusado de participar de prática de homicídios qualificados  | Foto: reprodução/Facebook

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) enviou uma denúncia contra cinco policiais militares que foram presos na Operação Circo da Morte coordenada pelo Ministério Público de goiás e a Polícia Federal e deflagrada em dezembro de 2018. Os acusados estão sendo processados criminalmente pela prática de dois homicídios qualificados praticados na comarca de Santo Antônio do Descoberto e por ocultação de cadáver.

A denúncia do MP-GO é baseada em um inquérito da Polícia Civil de Goiás, que relata que os policiais Alessandro Bruno Batista, Ruimar Felipe Maia, Ismael Fernando Silva e Raithe Rodrigues Gomes agiram em concurso (em cooperação) e Carlos Eduardo Belelli. Este último, que além de Tenente-coronel, também foi candidato a deputado pelo PR.

De acordo com a acusação, os envolvidos teriam se deslocado, em março de 2017, de Caldas Novas – cidade em que os militares eram lotados – até Santo Antônio do Descoberto, onde tiraram de suas residências as vítimas Darlei Carvalho da Silva e Dalylla Fernanda Martins.

Após matarem Darlei, os denunciados teriam jogado o corpo às margens de uma estrada no município de Silvânia. Já a vítima Dallyla, após ser morta, teve seu corpo ocultado pelos denunciados em local desconhecido, não sendo encontrado até hoje.

A denúncia foi recebida pelo juízo da comarca de Santo Antônio do Descoberto, tendo sido decretada a prisão preventiva dos cinco denunciados. Em relação ao delito de associação criminosa na modalidade “grupo de extermínio”, o MP-GO aguarda o término das investigações da Polícia Federal e o respectivo encaminhamento do inquérito policial que se encontra dentro do prazo legal. (Com informações da assessoria de comunicação social do MP-GO)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.