Polícia prende homem suspeito de usar dados de professores da UFG para praticar crimes

Suspeita é de que, em posse dos dados, ele contratava empréstimos, realizava compras e até desviava o salário das vítimas

Foto: Reprodução/PCGO


A Polícia Civil de Goiás (PCGO), por meio do Grupo de Repressão a Estelionato e outras Fraudes (GREF), da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC), desencadeou, na última quinta-feira, 18, uma operação que resultou na prisão preventiva de um suspeito de usar dados de professores da Universidade Federal de Goiás (UFG) para abrir contas bancárias. Além disso, o suposto responsável pelos golpes contratava empréstimos, realizava compras e até desviava o salário das vítimas.

A PCGO informou que as investigações, que tiveram início há aproximadamente dois meses, foram desencadeadas a partir do relato de alguns professores da Universidade Federal de Goiás (UFG). O responsável pela operação é o delegado Cássio Arantes do Nascimento, da DEIC.

Além da prisão do suspeito, que mora em Valparaíso – na região do entorno do Distrito Federal -, a Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão. A operação foi batizada como Data Saving.

Os agentes trabalham com a tese de que o criminoso utilizou-se de informações que constam no portal do Sistema de Gestão de Pessoas (Sigep), do governo federal. A DEIC investiga se há outras pessoas envolvidas no crime.

Durantes as buscas, foram apreendidos diversos documentos comprobatórios da suspeita dos investigadores, além de outros que comprovam a envolvimento do suspeito em fraudes praticadas contra, pelo menos, mais oito servidores públicos federais lotados nos Estados de Goiás, Mato Grosso e Distrito Federal.

A suspeita é de que o investigado obtinha os dados dos servidores a partir do acesso a informações do Sistema de Gestão de Pessoas (SIGEP) do Executivo Federal, o que ainda é objeto de investigação.

As investigações continuam a fim de serem localizadas outras vítimas e a polícia trabalha agora para identificar e prender outros eventuais integrantes do grupo criminoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.