MP aguarda resultado de oitivas e perícia de material apreendido para apresentação de denúncia contra envolvidos

[relacionadas artigos=”129930,129980″]

O jornalista Semi Gidrão e o pré-candidato a deputado estadual Guilherme Fayad serão intimados, ainda nesta semana, para prestar esclarecimentos sobre a instalação de uma gráfica clandestina na cidade de Jesúpolis usada para imprimir material de campanha do próprio Fayad e do pré-candidato ao governo de Goiás, Ronaldo Caiado, do Democratas.

Gidrão e Fayad são apontados como os responsáveis pelo parque industrial instalado em local público, onde deveria funcionar uma fábrica de calçados.

Em entrevista ao Jornal Opção nesta terça-feira (10/7), o promotor responsável pelo caso, Everaldo Sebastião, afirmou que ainda aguarda resultado da perícia do material apreendido e das oitivas policiais, para, então, dar prosseguimento ao caso.

Na última semana, Sebastião havia pontuado que Caiado e Fayad, assim como os supostos donos da empresa calçadista, podem responder por improbidade e abuso de poder econômico.

O caso ainda deve ser remetido à Procuradoria Regional Eleitoral para apuração de eventual crime eleitoral.

O caso

O Ministério Público de Goiás e a Polícia Militar chegaram na última quinta-feira (5/7) a uma gráfica clandestina, na cidade de Jesúpolis, usada para imprimir material de campanha de Fayad e Caiado.

A área pública, onde há tempos funcionava uma indústria de calçados, havia sido cedida pela Prefeitura de Jesúpolis a uma suposta empresa calçadista com o intuito de reativar a fábrica.

Denúncia levada ao Ministério Público de Goiás (MP-GO), no entanto, revelou que, no local da fábrica de calçados, havia sido instalado um parque gráfico para a impressão de material de campanha extemporânea.