Polícia cumpre mandados em Goiás e Brasília contra esquema de pirâmide financeira

Empresa Wall Street Corporate é investigada pelos crimes de organização criminosa, estelionato, lavagem de dinheiro, uso de documentos falsos e pirâmide financeira

Coletiva de imprensa da Operação Patrick, que investiga possível esquema de fraude com a moeda digital Kriptacoin | Foto: Divulgação MPDFT

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor (Prodecon), e a Polícia Civil do DF (PDCF) cumprem, na manhã desta quinta-feira (21/9), 13 mandados de prisão preventiva e 18 de busca e apreensão na Operação Patrick. Os mandados foram cumpridos em Brasília, Águas Lindas e em Goiânia.

A ação investiga a venda da moeda digital Kriptacoin, da empresa Wall Street Corporate.

O grupo é investigado por suposto esquema de organização criminosa, estelionato, lavagem de dinheiro, uso de documentos falsos e por crime de pirâmide financeira.

Segundo as investigações, as fraudes podem gerar prejuízo a 40 mil investidores, que eram convencidos a aplicar dinheiro na moeda digital. A organização criminosa atuava por meio de laranjas, com nomes e documentos falsos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.