Polícia Civil prende oito alvos envolvidos com esquema no Naturatins

Operação Isis apura existência de organização criminosa que atuava no instituto. Entre os presos, um é irmão do deputado Amélio Cayres

Sede do Naturatins, onde a Polícia Civil realizou mandados de busca e apreensão. Foto: Secretaria da Segurança Pública do Tocantins

A Polícia Civil do Tocantins deflagrou, nesta sexta-feira, 22, mais uma ação que respingou em políticos do Estado. A Operação Isis apura a existência de uma associação criminosa suspeita de cometer crimes contra a administração pública, como corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, no âmbito do Naturatins.

A operação foi autorizada pelo juiz da Comarca de Araguatins, José Carlos Tajra Reis Júnior e, ao todo, os agentes cumpriram doze mandados de busca e apreensão, em Araguatins, Augustinópolis, Axixá, Buriti do Tocantins e Palmas, quatro conduções coercitivas e oito prisões temporárias. Os agentes fazem buscas na sede do Naturatins na capital e na empresa Souza Gestão Empresarial e Agronegócios, em Araguatins. 

Dois irmãos do deputado estadual Amélio Cayres (SD) são alvos da Operação. Um deles, o fazendeiro Armando Cayres, foi preso. Já o outro, Alvymar Cayres Almeida, foi alvo de condução coercitiva. A polícia informou que, por enquanto, o deputado não é investigado nesta operação.

A polícia disse que Luciana Geremias de Souza, inspetora de recursos naturais e chefe da unidade do Naturatins no Bico do Papagaio, entrava em contato com fazendeiros multados para oferecer anulação ou redução da penalidade, além da liberação de propriedades embargadas. Para os investigadores, Luciana Geremias, servidora concursada do órgão desde 2005, tem salário de pouco mais de R$ 8 mil mensais e ostenta padrão e patrimônio incompatível com os ganhos. Um dos imóveis dela está avaliado em R$ 1,8 milhão.

Orleans Silva Oliveira, também servidor do Naturatins, é apontado pelos investigadores como sócio oculto da empresa de consultoria e teria a função de receber o dinheiro pelas práticas e fornecer documentos públicos ideologicamente falsos como licenças, alvarás e autorizações sem exigir os documentos necessários para a expedição das respectivas licenças, sendo auxiliado por outro servidor do órgão, Nadson Nanmir Borges de Oliveira. Já os fazendeiros recorriam aos serviços do suposto esquema para obter licenciamentos e documentos públicos fraudulentos.

A investigação apontou que o grupo também prestava consultoria para prefeituras da região do Bico do Papagaio. Uma interceptação telefônica feita com autorização judicial flagrou o grupo oferecendo “ajuda” a um município para preparar a documentação e viabilizar o ICMS Ecológico.

Alvos Prisão temporária

Luciana Geremias de Souza, Euerçu Gonçalves da Silva, Orleans Silva Oliveira, Nadson Nammir Borges de Oliveira, Gustavo Ferreira de Sousa, Elizângela Pereira de Souza, Edyvaldo Fernando dos Santos Lima e Armando Cayres de Almeida.

Busca e Apreensão

Gustavo Ferreira de Sousa, Elizângela Pereira de Souza, Edyvaldo Fernando dos Santos Lima, Werleandro França Almeida, Sebastião Afonso Leite de Sousa, Armando Cayres de Almeida, Sede do Naturatins em Palmas e Sede da empresa Souza Gestão Empresarial e Agronegócios em Araguatins.

Condução Coercitiva

Alvimar Cayres Almeida, Natanael Galvão Luz, José Osvaldo dos Santos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.