Preso maior grupo de distribuição de pasta base em Goiás e no Distrito Federal

Quadrilha movimentou quase 10 toneladas da droga que, se refinada, daria cerca de 60 toneladas de cocaína. Segundo a polícia, lucro chegou a R$ 83 milhões

Untitled 1

Com o grupo, foram apreendidos dinheiro em espécie e armas | Foto: Thiago Araújo/Jornal Opção Online

O maior grupo de distribuição de pasta base de cocaína de Goiás e do Distrito Federal foi desbaratado pela Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc) após dois anos de investigação. De acordo com informações divulgadas pela Polícia Civil nesta sexta-feira (8/8), a quadrilha movimentou quase dez toneladas da droga entre 2012 e 2013.

Se refinado, o entorpecente resultaria em cerca de 60 toneladas de cocaína, o que equivale a duas carretas de um caminhão de grande porte. Neste período, os criminosos lucraram R$ 83 milhões.

A organização foi revelada por meio da Operação Esmeralda, que resultou na prisão de Marcelo Gomes de Oliveira, de 34 anos, chefe do grupo, e de mais 14 pessoas. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Odair Soares, outros três suspeitos estão foragidos.

O braço direito do mentor do grupo era José Carlos Moreira Cunha, responsável pelo controle do dinheiro, do estoque de drogas, do gerenciamento de imóveis e da aquisição de dólares e de veículos. “A investigação revelou uma quadrilha compartimentada, profissionalizada e estruturada financeiramente”, disse Odair Soares ao Jornal Opção Online.

O delegado-geral da Polícia Civil, João Carlos Gorski, salientou que onde existe tráfico de drogas existem também outros crimes. Além da distribuição de pasta base de cocaína, o grupo é acusado de latrocínio, lavagem de dinheiro, roubo, falsificação e uso de documento falso. “As investigações duraram dois anos e descobriram que a organização criminosa chefiada por Marcelo Gomes era profissionalizada, pois cada indivíduo tinha uma função no grupo”, relatou.

A fase final da Operação Esmeralda ocorreu no dia 16 do mês passado. Das quase dez toneladas da pasta base, os policiais conseguiram apreender apenas 819 quilos. No entanto, sequestrou armas de fogo, entre elas uma submetralhadora pertencente à polícia do Estado do Piauí, cerca de 800 munições, carros de luxo, motos esportivas, duas fazendas, 1.500 cabeças de gado e dois postos de combustível.

Ousadia e antecedentes criminais

Marcelo Gomes já havia sido condenado definitivamente, no ano de 2000, a 21 anos de reclusão pelo crime de roubo seguido de morte. Cumpriu alguns anos em regime fechado, progredindo ao regime semi-aberto, de onde fugiu. Posteriormente, conseguiu que a execução de sua pena fosse transferida para o Estado do Piauí, onde nunca residiu. “Como uma condenação é transferida para outro Estado?”, indagou o delegado Odair Soares.

Em 2007, Marcelo Gomes foi preso em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, quando usava o nome falso de Marcelo Gomes de Aguiar. No ano seguinte, conseguiu liberdade provisória. Após sair da prisão, todos processos contra ele desapareceram do Poder Judiciário.

Em 2013, o criminoso protocolou uma ação de retificação de nome perante a Comarca de Aruanã, solicitando o acréscimo do prenome “José”. “Para a surpresa da corporação, apesar do seu passado criminoso, conseguiu uma decisão judicial favorável e passou a se chamar José Marcelo Gomes de Oliveira”, explicou Odair Soares.

Segundo a PC, o Ministério Público de Goiás (MPGO) já está tomando as providências para anular a decisão judicial. Os 15 presos responderão de acordo com suas participações pessoais na atividade criminosa.

O Jornal Opção Online teve acesso à parte do material das investigações feitas pela polícia. Clique nas imagens para ampliá-las:

Uma resposta para “Preso maior grupo de distribuição de pasta base em Goiás e no Distrito Federal”

  1. Mario Borges disse:

    Agora acho que a Dona Iris , deputada federal, que pediu a intervenção no estado alegando falta de segurança, bem que podia agora também elogiar a atuação da Policia Civil, que é um orgão do estado de Goiás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.