Polícia Civil indicia dois policiais envolvidos na morte de refém em Senador Canedo

Um soldado foi indiciado pela morte do auxiliar de produção Tiago Messias, e outro por ter forjado a cena do crime

A Polícia Civil indiciou nesta quarta-feira (3/1), dois soldados da Polícia Militar envolvidos na morte do auxiliar de produção Tiago Messias Ribeiro, assassinado enquanto era feito refém em um assalto.

Um dos soldados foi indiciado por ter atirado em Tiago, enquanto um sargento da PM por ter fraudado a cena do crime ao forjar tiros de dentro para fora do carro.

Os indiciados e mais dois outros PMs, que também estavam no momento da abordagem, seguem presos.

O caso

Tiago Messias Ribeiro, de 31 anos, foi morto enquanto era feito refém. Ele foi abordado pelo suspeito na chácara onde mora com a família, em Senador Canedo, sendo obrigado a entrar no carro e dirigir para o assaltante. O tiroteio ocorreu próximo a um posto de gasolina.

Em um primeiro momento, a polícia informou que os agentes haviam sido recebidos a tiros e, por isso, revidaram. Dias depois, entretanto, imagens mostraram o homem sendo socorrido após ser baleado.

No vídeo, a vítima é retirada do carro e colocada no porta-malas do veículo da PM. Neste meio tempo, um outro policial entra no VW Gol pela porta do passageiro, se abaixa e faz vários disparos no para-brisas do veículo.

Deixe um comentário