Polícia Civil e SSP querem encerrar polêmica do suposto serial killer que atua em Goiânia

Secretário de Segurança Pública de Goiás disse que os homicídios contra mulheres merecem maior atenção das autoridades e que os autores destes crimes são distintos

bastidores.qxd

Delegado Joaquim Mesquita, secretário de Segurança Pública de Goiás | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Durante apresentação dos novos 568 policiais do Serviço de Interesse Militar Voluntário Estadual (Simve) que passam atuar na capital, em cerimônia na Academia da Polícia Militar de Goiás no Setor Universitário, nesta segunda-feira (4/8), o secretário de Segurança Pública de Goiás, Joaquim Mesquita, disse acreditar que existem autores distintos em alguns casos de homicídios contra mulheres. “A polícia vai continuar investigando, pois nada melhor que ela para identificar os autores dos crimes ainda não solucionados”, afiançou o secretário.

No último sábado (2) o governador Marconi Perillo (PSDB) determinou que a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-GO) e a Delegacia Geral da Polícia Civil montassem uma força-tarefa para dar maior agilidade na explicação dos assassinatos contra mulheres em Goiânia.

O superintende da Polícia Judiciária da Polícia Civil de Goiás, o delegado Deusny Aparecido, anunciou nesse domingo (3), que cerca de 50 delegados e agentes do interior do Estado vão reforçar temporariamente as investigações de crimes na capital.

Nesta manhã, o delegado-geral da Polícia Civil, João Carlos Gorski, durante o mesmo evento, disse ao Jornal Opção Online que os delegados que estão se deslocando do interior do Estado para a capital darão maior celeridade às apurações de homicídios. “Queremos encerrar a polêmica do serial killer por meio de investigações e provas robustas, mostrando que existem criminosos distintos nestes casos”, salientou.

O secretário Joaquim Mesquita acredita que com mais 568 policiais nas ruas da capital e com a vinda dos delegados e agentes que ajudarão nas investigações de homicídios, a sociedade terá uma rápida resposta em relação à criminalidade, não apenas na Grande Goiânia, mas em todo Estado. “É evidente que na medida em que surgem situações que demandam uma atuação de maior eficácia e de maior atenção, as autoridades devem aumentar e orientar a articulação do policiamento”, disse.

Os casos

Neste domingo (3) familiares e amigos sepultaram a menina Ana Lídia de Souza, de 14 anos, assassinada no dia anterior em um ponto de ônibus no Setor Cidade Jardim, em Goiânia.

Aos 14 anos, Ana Lídia Gomes foi morta em ponto de ônibus no Setor Conjunto Morada do Sol, em Goiânia | Foto: Reprodução/WhatsApp

Aos 14 anos, Ana Lídia Gomes foi morta em ponto de ônibus no Setor Conjunto Morada Nova, em Goiânia | Foto: Reprodução

De acordo com investigação preliminar da Delegacia de Investigação de Homicídios (DIH), Ana Lídia esperava por um ônibus na Rua Paratinga para ir à Feria da Lua, no Setor Oeste, para ajudar a mãe. Um suspeito se aproximou da menina em uma motocicleta e efetuou três disparos. Ela foi atingida no tórax e em um dos braços e morreu no local.

Uma amiga de Ana Lídia, que não quis se identificar, acredita na existência de um assassino em série. “Ela foi brutalmente assassinada por esse suposto serial killer. Ana era uma criança, estudava e tinha muitos sonhos. Estamos com medo”, disse indignada.

No dia 1º de junho a adolescente Isadora Aparecida Cândida dos Reis de 15 anos foi morta no Setor São José, numa suposta tentativa de assalto. Na ocasião, a menor estava acompanhada do namorado, que informou que o autor do crime estava em uma moto preta e usava capacete. O criminoso deu voz de assalto e quando Isadora ia entregar o celular ele disparou. O tiro a atingiu nas costas e a jovem morreu antes do socorro chegar.

Antes de Isadora, outras seis mulheres haviam sido vitimadas de forma semelhante em Goiânia. Nestas ações, o suspeito chega, saca a arma e dispara contra a vítima e foge, sem levar nada. Depois de Isadora, mais cinco mulheres perderam a vida de forma parecida.

Manifesto

Uma manifestação contra a violência que tem vitimado mulheres em Goiânia desde o início do ano está sendo organizada por meio de uma página no Facebook. O protesto, que até o início da tarde desta segunda-feira teve a confirmação de mais de 20 mil pessoas, está previsto para ocorrer no próximo sábado (9), às 16h,  com concentração na Praça Cívica.

A jovem G.R., de 25 anos, afirma que participará do ato para pedir mais agilidade, esclarecimento e justiça para estes crimes contra mulheres em Goiânia. Ela diz ter medo de sair de casa sozinha. “A situação está difícil. Quantas Anas Lídias vão ser sacrificadas para que as autoridades solucionem estes crimes?”, pergunta.

 

 

6 respostas para “Polícia Civil e SSP querem encerrar polêmica do suposto serial killer que atua em Goiânia”

  1. Avatar Luiz Felipe Moura disse:

    Claro que não é um Serial Killer, eles não agem assim, eles precisam deixar sua marca na cena do crime. Um Serial Killer de verdade não usa armas para matar. É um maníaco que fica vendo muitos filmes por ai e acha que pode enganar a polícia. Existe 2 tipos de Serial Killer o Impulsivo e o Inteligente. Esse no caso é um idiota não sabe nem matar direito, vão descobrir quem é rapidinho…

    Serial Killers não usam armas, então descartem essa possibilidade.

    • Avatar Lucas disse:

      Desculpa, mas qual o embasamento das tuas afirmações: achei todas absolutamente vagas e rasas. Um serial killer se caracteriza por cometer homicidios com um intervalo de tempo, podendo ou não deixar uma ”assinatura”. Existem inumeras motivações e causas que podem levar uma pessoa a cometer tais atos. E é lógico que pode ser usado arma de fogo, que comentário mais absurdamente leigo e despropositado o de afirmar que serial killers nao usam armas…hahahah procura estudar e te aprofundar no tema, se quiser passar alguma informação realmente relevante para as pessoas. Serial Killers usam SIM armas. Podem SIM usar armas de fogo. Não precisam necessariamente seguir um padrão. Quanta asneira que vocé disse. Posso citar inumeros casos de assassinos em série que não seguiam padrão nem de vítima e nem de determinado tipo de arma. Por favor TE INFORMA um pouco mais, antes de cuspir asneiras ao público.

  2. Avatar Miguel disse:

    Para criminosos como esse degenerado, só há duas formas de punição aceitáveis: Prisão perpétua ou pena de morte. Ficar encarcerado até o últimos suspiro (como está o psicopata Charles Manson na Califórnia há mais de 40 anos) ou injeção de dose letal de cloreto de potássio na veia. Não há meio termo, ou alguém acredita que um tipo como esse pode ser “ressocializado”?!? Acreditar nisso é o mesmo que acreditar em Papai Noel.

  3. Avatar Carlos Spindula disse:

    Se isso que a Policia quer mostrar, que são casos distintos, se for verdade geraria ainda mais pânico, pois seriam não um e sim vários dessas bestas-feras soltas na cidade !! Não se tampa o sol com uma peneira !

  4. Avatar Luiz Felipe Moura disse:

    Quando for resolvido você verá que estou certo. Não é um Serial Killer e quando a polícia confirmar isso você venha até mim e diga que eu estava certo okay…

    É apenas uns idiotas querendo por medo na sociedade, Serial Killers não agem assim.

    • Avatar Victor disse:

      “Claro que não é um Serial Killer, eles não agem assim, eles precisam deixar sua marca na cena do crime.”

      Você é um excelente perito, só esqueceu de dizer que uma marca pode ser qualquer coisa, desde sua preferência em matar vítimas (neste caso, mulheres jovens), como ir em uma moto, abordar e matar para depois sair.

      “Um Serial Killer de verdade não usa armas para matar. É um maníaco que fica vendo muitos filmes por ai e acha que pode enganar a polícia.”

      Você que está assistindo filme demais por achar que um Serial Killer não possa usar armas.

      “Existe 2 tipos de Serial Killer o Impulsivo e o Inteligente. Esse no caso é um idiota não sabe nem matar direito, vão descobrir quem é rapidinho…”

      Cara de onde você tirou essa categorização? Assistindo Pânico? Você acha realmente que um infrator de um 157 (assalta a mão armada) por exemplo, é o mesmo que mata por matar (vítimas desvinculadas com seu círculo social) e sai fora? Ele não sabe matar ‘direito’ tanto que criaram uma força tarefa para apurar o caso desse ‘idiota que está querendo por medo na sociedade’.

      Se esses delitos não forem de fato a uma pessoa, com certeza é provável que seja um grupo de psicopatas de um mesmo estilo… E não porque “você está certo” ‘okay’…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.