Polícia Civil desbanca quadrilha suspeita de aplicar golpes de mais de R$ 1 milhão em instituição bancária

Esquema consistia em burlar sistema bancário para aumentar limite de crédito do cliente

Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO), por meio do Grupo de Repressão a Estelionato e Outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Gref/Deic), efetuou a prisão de cinco suspeitos de envolvimento em uma fraude milionária contra instituição financeira.

A fraude, que gerou até agora prejuízo superior a R$ 1 milhão, consistia em burlar o sistema gerando a possibilidade de, pelo menos, 241 alterações no limite de crédito dos clientes do banco. Segundo as autoridades que participam da investigação, inicialmente o limite liberado para o cliente era de R$ 1.700,00. No entanto, após as alterações realizadas pelos criminosos o credito liberado para o cartão supria a casa do milhão.

Após o lançamento do crédito em questão, várias compras eram realizadas em variados estabelecimentos comerciais, dentre eles atacadistas, concessionárias, comércio de eletrônicos e outros.

A prisão aconteceu depois de várias diligências de uma equipe de investigadores. Durante os trabalhos foi possível identificar, inclusive, a tentativa de compra de um veículo zero quilômetro avaliado em mais de R$ 100 mil reais. O carro, por sorte, ainda não havia sido entregue ao comprador.

Assim, no ato da entrega do veículo os investigadores conseguiram realizar a prisão de três pessoas que são tidas até então como suspeitas de envolvimento na fraude. Em seguida, outras duas foram presas, dentre elas o titular da conta bancária utilizada e um suposto agenciador do esquema.

Além das prisões, também foram apreendidos cinco veículos adquiridos com o cartão bancário do fraudador, R$ 110.706 mil em espécie, aparelhos eletrônicos e diversos documentos relacionados aos crimes.

Os presos foram autuados por estelionato e associação criminosa. Todos foram encaminhados à Delegacia de Capturas (Decap) onde, após a comunicação da prisão, permanecem à disposição da justiça. As investigações continuam e novas prisões ainda podem ocorrer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.