Polícia Civil apresenta suspeitos de matar três mulheres em Goiânia

O grupo formado por quatro homens teria assassinado também um homem. Investigadores apontam como motivação principal o tráfico de drogas

Leandro Fernando Dias e Rogério Alves do Nascimento são suspeitos de matar três mulheres

Leandro Fernandes Dias e Rogério Alves do Nascimento são suspeitos de matar três mulheres | Foto: Thiago Araújo

A delegada Silvana Nunes, da Delegacia Estadual de Homícidos (DIH), apresentou na manhã desta segunda-feira (30/6) dois suspeitos de matar três mulheres em Goiânia. Os suspeitos são Leandro Fernandes Dias, de 27 anos, e Rogério Alves do Nascimento, de 18 anos. Segundo a delegada, as três vítimas eram prostitutas e tinham ligação com o tráfico de drogas na região do Dergo, no Bairro São Francisco, onde os crimes aconteceram.

O assassinato mais recente aconteceu no Morro do Mendanha, no último dia 18, quando Patrícia de Oliveira foi morta com um tiro na cabeça. Segundo a delegada, a jovem, de 18 anos, recebia porções de drogas de Leandro Dias para revender aos seus clientes, no entanto, por ser usuária, acabava consumindo parte da substância. Patrícia tinha cabelos longos e antes de ser morta o autor [Leandro Dias] raspou seus cabelos e ligou para outra prostituta para contar que estava cortando o cabelo de uma “pisona” – jargão criminoso que se refere aos que delatam ou não cumprem as ordens.

O Morro do Mendanha é a região onde estão instaladas torres das emissoras de televisão de Goiânia e que também já foi palco de outros crimes ligados ao tráfico de drogas, como o das quatro jovens mortas por traficantes em março deste ano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outros dois integrantes do grupo que matou as três prostitutas, André Luiz Marques da Silva, conhecido como “Testa”, e Maycon Silva, conhecido como Gaguinho, já estão presos na Casa de Prisão Provisória (CPP), em Aparecida de Goiânia. A equipe da DIH não conseguiu transportá-los para local de apresentação à imprensa porque esse tipo de ação demanda autorização judicial, que não foi liberada a tempo.

Apuração

As investigações começaram a partir da morte de Kelly Tatiany Costa Silva, de 32 anos. O crime aconteceu na madrugada de 18 de maio deste ano e segundo informações da Polícia Civil a mulher foi espancada e morta por estrangulamento, em frente a um motel na Rua Rocha Pombo, do Bairro São Francisco. Também neste caso, a vítima devia drogas para Leandro Dias. “As averiguações sobre o homicídio da Kelly foram possíveis porque recebemos denuncia anônima por meio do 197”, informou a delegada.

A terceira vítima do grupo é Sirene Florêncio dos Santos, de 33 anos, que também foi atingida na cabeça. A mulher estava em um ponto de prostituição localizado na Rua Havaí com a Rua Resende quando um homem chegou em um VW Gol claro e atirou contra ela. O principal suspeito de cometer o crime também é Leandro. A família de Sirene não sabia que ela era prostituta. “Eles achavam que ela era vendedora de espetinho”, disse a delegada Silvana Nunes ao Jornal Opção Online, que também assegurou que a família geralmente não sabe o que essas jovens fazem à noite. “Muitas famílias se surpreenderam com essa informação e com a certeza de que faziam ponto na região”, concluiu.

Outra vítima do grupo foi Carlos Athila Magalhães Chuva, de 32 anos. O homem se encontrava em situação de rua devido ao vício e se tornou traficante. Segundo as apurações ele devia R$ 2 mil a Leandro Dias. O corpo de Carlos Athila foi encontrado na ponte da Esplanada dos Anicuns, com quatro tiros no corpo, no dia 05 de abril de 2014. O local do homicídio é conhecido como boca de fumo.

“Existe uma lei própria no tráfico, onde aquele que fala morre, onde aquele que denuncia morre e eles fazem questão de mostrar o poderio deles. Leandro e o grupo gostavam de humilhar as vítimas”, acentuou Silvana.

Um detalhe que segundo os policiais chamou atenção foi a circunstância em que Leandro Dias foi preso: ele estava dentro de um quarto de motel com um jovem homossexual. “Era um rapaz que vez ou outra fazia sexo com ele em troca de droga. Este lado homoafetivo o suspeito mantinha em sigilo”, afirmou a delegada. Ainda com Leandro, a polícia encontrou uma arma de fogo calibre 38 e algumas pedras de crack.

A reportagem ouviu Leandro Dias e ele disse que não cometeu os crimes. “Sou apenas usuário, um noíado, um pé rapado. Eu nem conhecia essas prostitutas”, disse, de cabeça baixa.

Durante a apresentação o delegado titular da DIH, Murilo Polati, acentuou que os crimes de homicídios são complexos. “Essas investigações presididas pela doutora Silvana mostram isso. Essa situação apresentada reflete que 90 % dos casos de homens e mulheres assassinados em Goiás estão envolvidas com o tráfico de entorpecentes.”

O delegado aproveitou a ocasião para reiterar que o rumor sobre o assassino em série não é verdadeiro. “Isso nos deixam tranquilos em relação à suposta existência de um serial killer. Infelizmente a violência está desenfreada”, lamentou.

A apresentação aconteceu no auditório da Secretaria de Segurança Pública, no Setor Aeroviário. Todos os criminosos já tinham passagens por resistência, receptação de veículos e tráfico. Leandro Dias, por exemplo, já havia sido preso outras 26 vezes.

 

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

goyano.artdeco

essa afirmação é calamitosamente a mostra do que é o Brasil hoje: ” o suspeito já havia sido preso 26 outras vezes”… caramba… um cara desses não pode ser solto nunca, nunca, nunca !!! É um monstro ameaçador contra a sociedade ! Prendam um cara desses e joguem a chave fora !! Por favor, pelo bem da sociedade, dos meus filhos, dos seus filhos… alguém faça alguma coisa !!!!!