“Pode ter sido bom para o país”, diz deputado goiano sobre decisão do TSE

Para Heuler Cruvinel, insatisfação popular com a absolvição de Temer é justa, mas, na sua opinião, economia brasileira pode se beneficiar da estabilidade política

O deputado federal Heuler Cruvinel (PSD) defendeu, em entrevista ao Jornal Opção, que a vitória do presidente Michel Temer (PMDB) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) dá a ele mais fôlego para conseguir terminar seu mandato. Para o parlamentar, Temer recupera um pouco da sua força mesmo com a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) envolvendo seu nome.

“Acredito que com essa decisão do TSE ele cria mais credibilidade dentro da Câmara e melhore sua situação no Congresso”, apostou o deputado. Questionado, no entanto, se isso significa que Temer permanecerá no cargo até o fim de 2018, Heuler disse acreditar que sim, mas não quis afirmar com certeza: “No Brasil atual nós não temos condições de fazer uma previsão dessas”, brincou.

Sobre a situação das reformas de Temer no Congresso, ele disse que a trabalhista já está bem encaminhada, mas que a da Previdência deve enfrentar resistência para ser aprovada. “São importantes e necessárias para o país, mas a Previdência precisa ser mais bem debatida, hoje acredito que ela não tem nenhuma condição de passar”.

Heuler comentou ainda a reação popular à absolvição de Temer, dizendo que com certeza houve certa frustração das pessoas, mas que a decisão do TSE pode acabar tendo boas consequências. “Pode ter sido bom pro país, principalmente pelos sinais que a gente tinha da melhoria da economia do Brasil, então acredito que o país precisa de um pouco de estabilidade política para voltar a crescer”, finalizou ele.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

GUSTAVO

é bom pra quem, pro cidadães comuns é que não é, pois não tem justiça, muito menos aos investidores, já que aqui não tem segurança jurídica, mas juízes de estimação que interpretam ao bel prazer do governante, ou seja, esqueçam as reformas, teto de gastos, que não servem de nada quando você tem um Gilmar Mendes