PF investiga participação de Marconi Perillo em esquema de corrupção na Codego

Polícia quer saber se o dinheiro desviado foi utilizado nas campanhas do ex e do atual governador 

O delegado da Polícia Federal, Charles Lemes, diz que a Operação Confraria deflagrada na manhã desta quinta-feira, 6, investiga se o ex-governador Marconi Perillo também teve participação no esquema de corrupção na Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás (Codego).

“A cobrança de propina acontece nas agências do estado de Goiás na gestão do ex-governador na simulação de contratos. Vamos investigar de onde é derivado o recurso ilícito do contrato lavado e a destinação desse dinheiro, assim como a participação de outras pessoas no esquema”.

A Polícia Federal quer saber se o dinheiro desviado foi utilizado nas campanhas de Marconi e do atual governador José Eliton.

A suspeita de participação de Marconi, preso pela Operação Cash Delivery, na fraude investigada pela Operação Confraria é consolidada com base na comprovação de que Jayme Rincón, atuava nos dois casos como coordenador dos repasses desviados.

De acordo com o delegado, outro link que se pode fazer entre as duas operações é o fato de um dos servidores da Codego ter entrado em contato com os policiais militares que trabalhavam para Jayme Rincón, e que também foram presos pela Cash Delivery, no dia em que o dinheiro advindo de propina da Odebrecht foi recebido em São Paulo.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.