Grupo que atua no Maranhão e no Pará teria causado mais de R$7 milhões em prejuízos para o INSS

Polícia Federal em investigação | Foto: Marcelo Camargo /Agência Brasil

A Polícia Federal iniciou nesta quinta-feira, 5, a Operação Fragmentado, tendo como alvo um grupo que organiza um esquema de fraudes no sistema previdenciário. Aproximadamente 70 policiais federais cumpriram 25 mandados judiciais, sendo um deles de prisão preventiva, seis de prisão temporária e 18 de busca e apreensão.

A investigação teve início ainda em 2019 e possibilitou a identificação de um esquema de fraudes que falsificava documentos para a obtenção indevida e manutenção de benefícios previdenciários. A PF contabilizou um prejuízo próximo a R$7,3 milhões devido às ações do grupo.

Os mandatos foram cumpridos nos municípios maranhenses de São Luís, Santa Rita, Bacabeira e Peri Mirim, além do município de Ananindeua, no Pará. Um dos mandados de busca e apreensão foi cumprido na Agência da Previdência Social de Santa Rita, no Maranhão. Outro, na residência de uma servidora do INSS.

De acordo com a PF, foi pedido ao INSS que suspenda e bloqueie, de imediato, pagamentos a 61 benefícios, e que todos eles sejam submetidos a procedimentos de auditoria.

Os envolvidos estão sendo investigados pela prática dos crimes de estelionato previdenciário, associação criminosa, uso de documento falso. As penas, se somadas, podem chegar à 15 anos de reclusão. (Com informações da Agência Brasil)