PF indicia Pizzolato por nove crimes relacionados ao uso de documentos falsos

O indiciamento foi anunciado hoje (31) pela Polícia Federal (PF)

O ex-diretor Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato foi indiciado em nove crimes cometidos antes de fugir para a Itália, no fim do ano passado, e relacionados ao uso de documentos falsos em nome do irmão Celso Pizzolato, morto em 1978. O indiciamento foi anunciado hoje (31) pela Polícia Federal (PF).

Segundo a PF, o ex-diretor do Banco do Brasil utilizou a documentação falsa para diversas finalidades, entre os anos de 2007 a 2010. Em outubro de 2008, votou com a identidade de um parente. Em 2009, solicitou a segunda via do CPF do irmão, além de pedir alteração dos dados cadastrais.  Henrique Pizzolato também foi indiciado por requerer passaporte italiano por meio de documentação falsificada.

De acordo com a PF, a pena prevista em lei a cada um dos nove pode variar de um a cinco anos de reclusão”. Pizzolato foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e sete meses de prisão por lavagem de dinheiro e peculato na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Ele fugiu para Itália em setembro do ano passado, antes do fim do julgamento no STF. Ele foi preso em fevereiro em Maranello (Itália). Em junho, a corte iniciou o julgamento, mas em seguida suspendeu a sessão para solicitar esclarecimentos ao governo brasileiro sobre as condições dos presídios nacionais. A Justiça italiana negou a extradição de Pizzolato para o Brasil, aceitando o argumento da defesa de inadequação do sistema prisional brasileiro.

Deixe um comentário