A Polícia Federal (PF) realizou, nos dias 26 e 27 de outubro, uma operação para conter o garimpo ilegal em Goiás, que resultou na destruição de três embarcações. As ações tiveram lugar nas cidades de Monte Alegre de Goiás e Cavalcante, na região da Chapada dos Veadeiros.

A operação, denominada Operação Kondé, foi conduzida pela Delegacia de Meio Ambiente da PF do Distrito Federal. Segundo a PF, a ação investiga práticas de extração ilegal de ouro, além de danos ambientais em terras de comunidades quilombolas nestes municípios.

No decorrer da operação, agentes da PF, em conjunto com servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), inutilizaram três dragas utilizadas no rio da cidade, bem como outros equipamentos relacionados às atividades ilegais. Restantes materiais serão analisados para confirmar os crimes em questão.

Embora nenhuma prisão tenha sido efetuada durante a ação, a Polícia Federal assegurou que a investigação conduzida pela Delegacia de Meio Ambiente do Distrito Federal prosseguirá e novas ações estão planejadas na região quilombola.

Garimpo em Goiás

Segundo o Batalhão Ambiental informou anteriormente ao Jornal Opção, o Estado de Goiás tem sido alvo do garimpo ilegal por características geográficas e legislação ambiental flexível. Segundo ele, o garimpo de ouro se concentra no Rio Corumbá, na região Leste do Estado, próximo à Orizona e Pires do Rio. No local, garimpeiros usam o mercúrio, que é um metal altamente poluente, para buscar ouro. Outras regiões atingidas pelo garimpo são: o Rio Pilões, Rio Claro e Rio Caiapó, no Oeste do estado, onde garimpeiros buscam principalmente diamantes.