PF deflagra operação em Goiás e outros seis Estados contra extração ilegal no Cerrado

97 mandados, entre de busca e apreensão e de condução coercitiva foram expedidos pela Justiça

Com objetivo de desarticular uma quadrilha especializada na exploração ilegal de madeira a Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (5/5) em Goiás e mais seis Estados a Operação Metástase. A ação policial se dá na data em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, sendo que o foco da operação é Goiás devido ao bando visar, sobretudo, a extração ilegal no Cerrado. São cumpridos um total de 97 mandados, entre de busca e apreensão e de condução coercitiva em Goiás e em Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná, Tocantins, Bahia e Pernambuco. Quatrocentos policiais federais participam da ação.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os alvos da Operação Metástase são proprietários e funcionários de madeireiras, carvoarias e siderúrgicas. As investigações duraram cerca de dois anos. Dentre as fraudes investigadas está falsificação de documentos como, por exemplo, guias do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para poderem extrair madeira em localidades onde a atividade é proibida (Confira esquema de atuação abaixo).

Conforme nota enviada à imprensa pela Polícia Federal, a madeira extraída ilegalmente é de árvores frutíferas e exóticas que eram queimadas em carvoarias, cujo carvão era adquirido por siderúrgicas em Minas Gerais para ser consumido como combustível.

O termo metástase, que dá nome à operação, faz alusão a tumores cancerígenos que se espalham por várias partes do corpo, neste caso, a exploração ilegal que se espalhou por sete Estados.

Fluxograma da maneira que se dava a falsificação de notas fiscais | Reprodução PF

Fluxograma da maneira que se dava a falsificação de notas fiscais | Reprodução PF

Fluxograma sobre falsificação do DOF | Reprodução PF

Fluxograma sobre falsificação do DOF | Reprodução PF

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.