Ordens foram expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes e estão sendo executadas no DF, além de RJ, SP, MT, PR e SC

Foto: Divulgação

A Polícia Federal cumpre 29 mandados de busca e apreensão nesta quarta-feira, 27, no chamado inquérito das fake news, que apura ofensas, ataques e ameaças contra ministros do Supremo Tribunal Federal.

Um dos alvos é o ex-deputado federal Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e novo aliado do presidente Jair Bolsonaro, que tem se articulado com siglas do Centrão, distribuindo cargos em troca de apoio no Congresso.

Outros dois alvos da operação são os bolsonaristas Allan dos Santos (blogueiro) e Sara Winter (ativista).

As ordens foram expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do caso, e estão sendo executadas no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. A investigação corre em sigilo.

Entenda

A investigação foi aberta em março pelo presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, sem provocação de outro órgão —no jargão jurídico, foi instaurada de ofício.

Moraes foi escolhido relator por Toffoli sem que houvesse um sorteio entre todos os ministros. E o objeto da apuração é amplo demais, sem um fato criminoso bem definido, o que permite que várias situações sejam enquadradas no escopo da investigação, como tem ocorrido.

Atualmente, o STF tem desmembrado o inquérito, remetendo pedidos de investigações de casos concretos à Polícia Federal, em uma manobra para colocá-los dentro do rito processual normal e tentar fazer com que tenham prosseguimento em ações na Justiça. (Com informações da Folha de S. Paulo)