Petistas portadores de deficiências auditivas reclamam de falta de espaço e deixam partido

O movimento dos descontentes é liderado por Saulo Balbino Machado, que também era candidato a deputado estadual

saulo balbino

A renúncia de Tayrone di Martino (ainda que por poucas horas) não foi a única baixa sofrida pelo PT nesta semana. Pouco antes, na segunda-feira (29/9), um grupo de 63 pessoas divulgou uma carta anunciado a saída do partido. Todas elas são portadoras de deficiências auditivas e reclamam que a legenda nunca deu o espaço necessário para que seus direitos, e os de pessoas em igual condição, pudessem ser discutidos e implementados.

O movimento dos descontentes é liderado por Saulo Balbino Machado,
que também era candidato a deputado estadual. Segundo ele, a falta de consideração às pessoas com deficiência pode ser sentida até mesmo na estrutura física do partido em Goiás, já que o diretório e a executiva não contariam com acessibilidade adequada para as pessoas com deficiência.

Saulo ressalta que é filiado ao partido desde 2000, e que nunca obteve espaço para apresentar as pautas do setorial que representa — que segundo ele, era o maior do PT goiano. “Mesmo quando o prefeito de Goiânia resolveu criar a Secretaria de Políticas para Pessoas com Deficiência, a pedido nosso, a escolha da titular foi à revelia. Não fomos consultados a esse respeito”, disse. Como exemplo da falta de suporte recebido, Saulo cita também que nenhuma reunião do partido conta com a participação de intérpretes ou qualquer outro sistema que possa ajudar os deficientes auditivos.

Mas as políticas voltadas para os PNE não são as únicas reclamações dos ex-petistas ao partido. Eles lembram o imbróglio envolvendo Tayrone e Felizberto Tavares quanto à questão do IPTU e chamaram de “opressor” o tratamento destinado a ambos.

Outras questões levantadas são o pedido da presidente Dilma Rousseff feito em discurso na ONU pela abertura de diálogo com o Estado Islâmico, considerado como inconcebível, e a crise da Comurg, em Goiânia, que prejudicou o recolhimento do lixo na capital. “Lançamos nossa candidatura para mostrar a nossa pauta à sociedade. Sabedores de que não tínhamos apoio nem mesmo do partido em questões como material de campanha, fizemos uma campanha em certo aspecto ecológica e limpa. Não fizemos nem um santinho. Nada de árvores mortas nem sujeira nas ruas. Ao menos não demos mais trabalho para a Comurg, tendo em vista que a cidade anda um lixo”, declarou.

De acordo com Saulo, a ação não foi articulada junto com Tayrone. Inclusive, ele pontua que o pedido de desfiliação foi feito no dia anterior à renúncia do vereador à candidatura de vice-governador. “Mas isso ajuda a mostrar o descontentamento dentro do partido. Também tenho certeza que Tayrone não queria prejudicar Gomide por causa das lambanças de Paulo Garcia”, concluiu.

Confira na íntegra a carta dos desfiliados do partido:

 

Prezados eleitores e população de Goiás,

Filiei-me ao Partido dos Trabalhadores no ano 2000 por acreditar que estávamos amparados por um partido que defendesse as minorias. Eu, como representante de um grupo expressivo de deficientes auditivos, vim auxiliando nas lutas em defesa dos direitos dos deficientes. Em 2002, descobri que também possuía deficiência auditiva, fato que me fez lutar ainda mais por este segmento tão menosprezado.

Durante todos estes anos dentro do PT, vimos o partido alcançar por 3 vezes a Presidência da República, alcançar a prefeitura de Goiânia por 2 oportunidades (Pedro Wilson e Paulo Garcia) assim como várias vezes apoiamos candidaturas proporcionais que obtiveram êxito nas urnas (Marina Sant’Anna, Djalma Araújo, Humberto Aidar, Rubens Otoni, Cidinha Siqueira, Neyde Aparecida). Vimos o partido gastar milhões para construir sua sede em Brasília. Enfim, vimos uma transformação antes inimaginável no partido dos TRABALHADORES.

Junto com isso conseguimos estruturar primeiramente o núcleo de deficientes do PT de Goiânia. Montamos o Setorial Estadual da Pessoa com Deficiência, bem como o Municipal. Tentamos levar para a pauta de discussões o assunto DEFICIENTE. Nosso grupo hoje tem a metade das cadeiras do Setorial Estadual e Municipal, além de termos a Coordenadora Estadual e assento no Coletivo Nacional.

Já reclamamos diversas vezes internamente da maneira com que foi conduzida a questão dos deficientes dentro do PT. Diretório e Executiva sem acessibilidade alguma para a pessoa com Deficiência. As barreiras de comunicação existentes dentro do partido inviabilizam a participação justa e decente dos surdos que compõe o MAIOR SETORIAL ATUANTE do Partido em Goiás.

Enfim, lançamos nossa candidatura para mostrar a nossa pauta à sociedade. Sabedores de que não tínhamos apoio nem mesmo do partido em questões como material de campanha, fizemos uma campanha em certo aspecto ecológica e limpa. Não fizemos nem um santinho. Nada de arvores mortas nem sujeira nas ruas. Ao menos não demos mais trabalho para a COMURG, tendo em vista que a cidade anda um lixo. Mas fatos recentes foram um estopim para nós. A presidente Dilma pedir abertura de diálogo com o Estado Islâmico e o Prefeito Paulo Garcia passar um rolo compressor sobre a população e forçando até 400% de aumento do IPTU num domingo a noite nos motivou a sair do partido. Além, claro, da forma opressora de tratamento com o candidato a Vice Governador Tayrone e do candidato a Deputado Estadual Felizberto Tavares.

Mas fomos além. Faltando 6 (seis) dias para as eleições, fizemos o pedido de renuncia de nossa candidatura. Assim, não contribuímos de maneira alguma para o quociente eleitoral do Partido.

Não podemos colaborar com um partido que em suas origens tinha boas idéias, mas que foi mal dirigido por pessoas arrogantes e despreparadas que assim destruíram o partido. Fica aqui o nosso agradecimento a algumas pessoas que de alguma maneira tentaram ajudar em algum momento as pessoas surdas dentro do PT: Osmar Magalhães, Ivanor Florêncio, Neyde Aparecida, Sandra Cabral, José Marcos, Marina Sant’Anna. E a principal delas, a nossa eterna BIDA. Que fique como sugestão que o partido homenageie sempre esta incansável defensora das classes menos favorecidas.

Com certeza iremos continuar nossa luta, e nos encontraremos algum dia.

Saudações!!!
Saulo Balbino Machado

  • Adson Vieira Lima
  • Ana Fortuna de Carvalho Filha
  • Ana Paula Rodrigues da Silva
  • Andreia Cristina de Lima
  • Berlania Sandra Gonçalves
  • Celso Monteiro
  • Christiane de Sousa Mendonça
  • Christiane Monteiro dos Santos
  • Claudio Lemes da Silva
  • Clodoaldo Soares Cavalcante
  • Daniela Alessandra de Oliveira
  • Danila Urzeda de Souza
  • Debora Simao Silva
  • Diogo Morais Junqueira
  • Dione Helter Cipriano da Silva
  • Edmilha Aparecida Felicio
  • Edmilton Lourenço Rodrigues
  • Eduardo Alves da Cruz
  • Eliana Marques de Souza
  • Eliane Felipe
  • Eloia Cristina Almeida Gomes
  • Eunice Coelho Leite do Carmo
  • Fabio Junior Paiva de Lima
  • Gilmar Garcia Marcelino
  • Gilson Maciel da Cunha
  • Giselle Lorena Milhomem
  • Gleyceany de Noronha Machado
  • Itamar Ferreira de Freitas
  • Jose Cleomar Guimarães
  • Juarez Quirino Jorge
  • Junio Rodrigues da Silva
  • Keila Rodrigues da Silva
  • Kellen Lucia dos Santos
  • Kenia Silva de Oliveira
  • Leonardo Silva Ribeiro
  • Leonice Macedo Silva
  • Lilia Alves da Silva Correia
  • Lilian de Oliveira dos Santos França
  • Magna da Silva e Souza
  • Marcia Sobral Costa
  • Marilda Sousa de Freitas
  • Michelle Duarte Marciano
  • Miltomar Rodrigues
  • Nivia Moreira da Conceição
  • Patricia Bernardes costa de Lima
  • Patricia Meiriellem da Silva Souza
  • Patricia Vieira da Costa
  • Pedro Gomes da Silva Junior
  • Raquel Araujo da Silva
  • Regina Rosa do Prado
  • Renato Paulo de Freitas
  • Ricardo Brant Correa Junior
  • Roseli Pinto Barroso
  • Saamara Leticia R. de O. Junqueira
  • Sergio Murilo Pereira Machado
  • Sidney Fernando Francisco
  • Sudário Silverio de Souza
  • Tatiana Carla Dias da Silva
  • Vera Balbino Rodrigues Machado
  • Vinicius máximo de Morais
  • Weber Urzeda de Sousa

[Atualização]: Williamar Santos de Almeida enviou nota ao Jornal Opção Online pedindo a retirada de seu nome da lista dos deficientes auditivos que saíram do PT, divulgada por Saulo Balbino. Williamar, que é coordenador do Setorial de Surdos e Surdas da Campanha do Olavo Noleto, disse que continua “firme no apoio à reeleição da Presidenta Dilma, e da eleição de Gomide, Marina Sant’Anna e Adriana Accorsi”. “Sempre tivemos espaço no partido para discutir a causa da pessoa com deficiência”, afirmou.

Confira a nota na íntegra:

Em relação a matéria “Petistas portadores de deficiências auditivas reclamam de falta de espaço e deixam partido”publicada hoje no Jornal Opção, eu, Williamar Santos de Almeida, que sou citado no final da lista, venho afirmar que continuo filiado ao Partido dos Trabalhadores e coordenando o Setorial de Surdos e Surdas da Campanha de Olavo Noleto, candidato a deputado federal. Continuo firme no apoio à reeleição da Presidenta Dilma, e da eleição de Gomide, Marina Sant’Anna e Adriana Accorsi. Sempre tivemos espaço no partido para discutir a causa da pessoa com deficiência. 

Williamar Santos de Almeida – Coordenador do Setorial de Surdos e Surdas da Campanha do Olavo Noleto 1314.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.