Petistas e peemedebistas repercutem críticas de Iris Rezende à presidente Dilma Rousseff

Secretário da Fazenda de Goiás, José Taveira, também falou sobre o assunto:  “O governador Marconi tem sempre realçado a postura republicana da presidente Dilma”

iris_dilma

As recentes críticas do candidato ao governo pelo PMDB, Iris Rezende, ao governo federal causaram estranheza em quem esperava que a postura fosse de apoio ou ao menos de neutralidade com relação à presidente Dilma Rousseff (PT). Em entrevista coletiva nesta quinta-feira (24/7), o líder peemedebista disse que a União tem encaminhado recursos ao governo de Marconi Perillo (PSDB), deixando de lado seu companheiro de partido Paulo Garcia, da Prefeitura de Goiânia.

“A presidente encheu o Marconi com dinheiro, e deixou o Paulo Garcia sofrendo sozinho. Por que ela não deu um pouco de recurso para a prefeitura, mas colocou quase R$ 10 bilhões nos últimos meses para essa verdadeira farra que temos observado?”, questionou Iris.

Uma colocação incisiva como essa poderia provocar desgastes entre o PMDB e o PT para o caso de um eventual segundo turno? O candidato petista ao governo, Antônio Gomide, garante que não. Preferindo adotar uma postura comedida, o ex-prefeito de Anápolis preferiu ressaltar que está se esforçando muito em sua campanha e que o posicionamento de adversários não interfere em seu trabalho.

Já o candidato a deputado federal e ex-secretário de Assuntos Federativos da Presidência da República, Olavo Noleto (PT), diz desconhecer “as informações que Iris” tem, mas garante que “o município recebeu muitos recursos e continua recebendo”. “Espero que esse assunto seja um mal entendido”, disse ele, completando que Iris é “um grande aliado”.

No entanto, quando questionado até que ponto a postura de Iris poderia influenciar na aliança dos partidos num eventual segundo turno, Noleto fez uma declaração curiosa: “A única coisa que posso falar é isso. Senão piora.”

Por meio de nota, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, do mesmo partido de Iris Rezende, defendeu a postura da presidente. “A presidenta Dilma Rousseff tem sido correta com Goiás, mesmo o estado sendo governado por um partido de oposição. Imagine então se o governador fosse de um partido aliado da presidenta, como o PMDB”, afirmou.

Sobre a relação da prefeitura de Aparecida com o governo federal, Maguito Vilela, que tem costume de ir a Brasília pelo menos uma vez por semana, afirmou que não tem nada a reclamar. “Pelo contrário, apoio a presidente Dilma Rousseff por tudo que ela e o presidente Lula fizeram por Aparecida nestes últimos anos”, sublinhou o peemedebista. Conforme o ex-governador, Dilma tem sido correta com Goiás e Aparecida.

O Secretário da Fazenda de Goiás, José Taveira, atesta o que foi defendido por Maguito. Em entrevista ao Jornal Opção Online, o secretário listou três financiamentos do governo estadual com o federal que, juntos, totalizam cerca de R$ 4 bilhões. “Esses recursos são destinados à recuperação da infraestrutura do Estado, principalmente na ampliação e recuperação da malha viária”, contou Taveira.

De acordo com ele, o governo estadual “cuida da relação com o governo do Estado”. Quando, então, questionado se a Prefeitura de Goiânia estaria sendo preterida pelo governo estadual, o secretário é enfático. “O que eu sei é sobre a administração do Estado. Não posso falar nada sobre o município.”

Ainda assim, ele assegura que a União tem sido correto com todos os entes da federação: “Até onde eu sei, o governo federal tem uma atuação muito republicana com as 27 unidades federativas e com os mais de cinco mil municípios”, afirmou. “O governador Marconi tem sempre realçado a postura republicana da presidente Dilma.”

O Secretário de Finanças de Goiânia, Jeovalter Correia, foi procurado pelo Jornal Opção Online para comentar o assunto, mas não foi encontrado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.