Pesquisa inédita analisa opinião dos goianienses sobre serviços públicos

Estudo ouviu mais de 1 mil pessoas que respondeu 165 questões sobre 24 blocos temáticos 

Parques são um dos quesitos avaliados | Foto: Arquivo

Foi divulgada nesta quinta-feira (7/12) pesquisa que ouviu mais de mil moradores de Goiânia sobre temas do cotidiano e suas opiniões sobre os serviços públicos oferecidos. O projeto Rede de Monitoramento Cidadão (RMC) é pioneiro na capital e traz dados completos e detalhados sobre a realidade vivenciada pelos goianienses.

Os dados técnicos, levantados junto ao poder público, e os indicadores de percepção, coletados através de uma pesquisa de opinião pública, abordam temas como mobilidade, segurança, saneamento básico e outros assuntos que interferem diretamente na sustentabilidade da cidade e qualidade de vida de seus moradores,

No tema “Qualidade de Vida”, por exemplo, a avaliação foi positiva para 65% dos entrevistados, que responderam “ótimo” ou “bom”. A grande maioria também vê como positiva a percepção do sentimento de felicidade. Quase 90% dos goianienses se consideram muito felizes ou moderadamente felizes.

Quando o tema é “Transparência”, os resultados se mostraram mais negativos. A maioria dos entrevistados, 67%, classificou como regular, ruim ou péssimo, o nível de transparência das informações que a Prefeitura de Goiânia presta em seu portal na internet.

Sobre “Governança”, a pesquisa revelou que a maioria dos entrevistados, 54%, desconhece ou acredita não existir meios de participação nas decisões da prefeitura. Mais de 60% nunca participou das audiências públicas do Plano Plurianual (PPA), da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei Orçamentária Anual (LOA).

Um dos destaques da pesquisa foi o tema “Segurança”. A maioria esmagadora dos entrevistados, 92%, não se sente seguro caminhando sozinho pela cidade e 44% já foi assaltado ou teve algum parente que foi vítima de ladrão.

O coordenador nacional do projeto Rede de Monitoramento Cidadão, Fernando Penedo, explica que a pesquisa entende a cidade de maneira sistêmica  e que vários fatores influenciam no quesito segurança.

“Não é só policia que resolve a questão de segurança, por exemplo, a má iluminação, os grandes vazios urbanos, o espraiamento da cidade, traz sensação de insegurança e a própria questão da desigualdade urbana social e a efetividade da polícia também, é claro”, destaca.

Outro tema que ganhou  destaque foi a “Mobilidade”. Em Goiânia, 46,49% das pessoas utilizam o carro como meio de transporte para trabalhar, 7,31% utilizam a moto e 244,47% dependem do transporte coletivo.

Seis entre dez  entrevistados consideraram o sistema de transporte ruim, em todos os aspectos perguntados, tanto no transporte público como no trânsito da cidade.

“A pesquisa ainda aponta que o cidadão enxerga pouca possibilidade de utilizar métodos alternativos, tanto caminhar a pé, por exemplo, por causa da qualidade das calçadas, como também o uso da bicicleta pela inexistência de ciclovias ou sistema de segurança para utilização da bicicleta”, pontuou o coordenador.

A Rede de Monitoramento Cidadão  de Goiânia é uma organização independente e apartidária, criada com o objetivo de acompanhar o desempenho da cidade em questões que impactam a sua sustentabilidade e a qualidade de vida de seus cidadãos. A estruturação da RMC recebe o apoio financeiro do Fundo Socioambiental da Caixa e conta com parceria do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID),

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.