Permanência de aulas presenciais em Goiás será debatida por comitê

Aumento dos casos de Covid-19 e índice de ocupação dos leitos de UTIs podem contribuir para novo fechamento

O Comitê de Operações Estratégicas (COE) do Estado de Goiás se reúne da manhã desta quarta-feira, 27. Entre os temas que será debatido é a permanência das aulas presenciais nas escolas goianas. Com o aumento dos casos de Covid-19, há uma tendência de que os técnicos da saúde recomendem o novo fechamento das escolas.

As aulas em escolas particulares e estaduais foram retomadas de forma híbrida, ou seja, seguindo resolução nacional que permite até 30% de estudantes nas escolas de forma alternada com aulas remotas. O retorno de aulas presenciais só foi possível após o estado vivenciar quedas no registro de caso de Covid-19 nos últimos meses de 2020. No entanto, a realidade mudou já nos primeiros dias deste ano, a escalada no número da doença já refletem na ocupação de mais de 80% das UTIs públicas destinadas a pacientes da Covid.

A ocupação dos leitos de UTI e a média de registro de novos casos, serão levados em conta pelos membros do COE ao avaliar a permanência das aulas presenciais com 30% da capacidade das escolas.

Apesar da tendência de um novo fechamento das escolas, o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino, Flávio Roberto de Castro, se diz confiante na decisão que as escolas devam permanecer abertas. “A minha opinião o que está acontecendo agora (aumento dos casos de Covid) é reflexo da semana do Natal e Réveillon. Nessas duas semanas as escolas não estavam abertas. Não somos responsáveis. Se for fechar, tem que fechar quem é responsável por isso”, diz.

Flavio defende que as escolas tem habilidade para manter as regras e protocolos para garantir o funcionamento sem se tornar um ambiente de risco. “Não acho correto o nosso seguimento ser penalizado, mas se houve necessidade de um novo fechamento, vamos estar juntos com todos todos os outros, fazendo um esforço, como fizemos no ano passado”, aponta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.