Período mais crítico para o sistema de saúde em Goiás será entre 22 e 27 de julho

Embasado por estudo científico da UFG, secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, afirmou que rede pública e particular irá sofrer maior pressão nas últimas semanas de julho

Ismael Alexandrino | Foto: Reprodução

Em entrevista à rádio RBC, o secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, alertou para o período mais crítico da pandemia de Covid-19, que deve ocorrer entre os dias 22 e 27 de julho. Ele afirma que nesse período, os setores público e privado de saúde podem sofrer maior pressão. O embasamento de sua fala é apontado no estudo elaborado por pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG).

“Acredito que já estamos vivendo o pico, que deve culminar no dias 22 a 27, e tende a diminuir depois o número de casos e óbitos diários, pouco a pouco”, disse ao comentar o recorde de casos confirmados e mortes nas últimas 24 horas.

Ele diz que se o Estado não tivesse tomado providências, o sistema de saúde já teria entrado em colapso e destacou a inauguração de cinco hospitais de campanha, contratação de quase dois mil profissionais, aquisição de 4 milhões de EPIs distribuídos e a criação do dobro de leitos em relação ao ano passado.

“Goiás, sob a liderança do governador Ronaldo Caiado, se preparou, do ponto de vista de gestão, para enfrentar esse momento”, falou. Ainda lembrou 1.500 aparelhos distribuídos em hospitais estaduais, entre realocados e novos.


Dentre os aparelhos, foram destinados oito respiradores para Luziânia, dois para Trindade, três para Jaraguá e cinco para Catalão. Outros dez foram mandados para o Hospital de Doenças Tropicais (HDT). Jataí também pode ser beneficiada com envio de respiradores. O objetivo é descentralizar o atendimento de saúde da capital, regionalizando o atendimento com UTIs em todas as macrorregiões. O secretário ainda afirmou que é impossível seguirmos a mesma agenda de reabertura de países europeus, já que Brasil e Estados Unidos estão em estágios diferentes da pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.