Um levantamento do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) com informações da base de dados da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) Goiânia revelou que o número de inadimplentes na capital teve aumento de 0,02% em setembro. Já na comparação anual entre os mesmos meses, o índice teve alta de 0,94%.

A faixa etária de devedores com participação mais expressiva foi a de 30 a 39 anos (26,45%),
seguida pelos que estão entre 40 e 49 anos (22,65%), 50 e 64 anos (19,66%) e 25 a 29 anos
(12,64%). Os homens continuam devendo mais, com 50,73%, contra o indicador de 49,27% das
mulheres.

Locais e quantidade de débitos


Em setembro, cada consumidor inadimplente da capital tinha em média 2,171 dívidas em atraso.
O número ficou acima da média da região Centro‐Oeste (2,149 dívidas por pessoa inadimplente) e
acima da média nacional registrada no mês (2,095 dívidas para cada pessoa inadimplente).
O setor com participação mais expressiva no número de dívidas foi o de bancos, com 64,46%. Na
sequência estão comunicações (9,41%) e comércio (8,75%).

Valor e tempo médio da dívida
Cada consumidor goianiense negativado devia em setembro, em média, R$ 4.843,15 na soma de
todos os débitos. Os dados ainda mostram que 30,27% dos inadimplentes tinham dívidas no valor
de até R$ 500, percentual que chega a 43,61% quando se fala de débitos de até R$ 1.000. O
tempo médio de atraso dos devedores negativados de Goiânia é igual a 27,3 meses, sendo que
36,61% estão inadimplentes entre 1 e 3 anos.

Evolução do número de dívidas
O volume de dívidas em atraso dos negativados cresceu 7,36% no mês de setembro, em relação
ao mesmo período do ano passado. O dado ficou abaixo da média da região Centro‐Oeste
(10,25%) e abaixo da média nacional (12,71%). Na passagem de agosto para setembro, o número
de dívidas dos goianienses cresceu 0,58%.