Ministro da Saúde criticou, no Senado Federal, o que chamou de “pressão política” na compra de vacinas

Ministro da Saúde Eduardo Pazuello em reabertura de hospital de Manaus. │Foto: Ministério da Saúde

O Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi convidado por senadores para prestar esclarecimentos sobre o trabalho realizado no combate à pandemia. Em resposta, Pazuello prometeu que o governo federal irá vacinar todo o país em 2021: “50% até junho e 50% até dezembro”.

A senadora Rose de Freitas (MDB-ES), autora do requerimento de convite ao ministro, confrontou o chefe da Saúde sobre o total de doses adquiridas pelo governo federal e que estão sendo aplicadas. Em resposta à parlamentar, Pazuello criticou o que chamou de “pressão política”. Segundo ele, isso teria travado a compra dos imunizantes.

“O contrato do Instituto Butantan que fechamos é completo, de 100 milhões de doses. A única diferença, entre as 46 primeiras [milhões de doses] e depois de 64 [milhões de doses], é a entrega”, rebateu o ministro. Ele complementou: “Isso estava no contrato. Mas, por uma pressão política, precisamos, mesmo sem ter recebido as primeiras doses, encomendar o segundo lote”.

[Esta matéria conta com informações do Portal Metrópoles.]