De acordo com o presidente da Agetop, o prefeito de Goiânia é o responsável por tornar a cidade em um “amontoado de lixo

Os ataques do prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), ao governador Marconi Perillo (PSDB) foram rebatidos pelo presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (Agetop) Jayme Rincón. Um dos coordenadores de campanha do tucano, ele afirmou que o petista não vê as obras feitas pelo Estado na cidade porque ele fica trancado em seu gabinete com medo de encarar a população.

Paulo Garcia havia afirmado em entrevista a uma emissora de rádio local na última terça-feira (21/10) que Marconi Perillo “não fez nada” pela capital. “Paulo Garcia dispensa comentários, uma vez que sua reprovação é a maior da história de Goiânia”, disse Jayme. O presidente completou dizendo que o petista “não pode ser levado a sério, afinal, nem a população lhe dá credibilidade”.

Crise no Lixo

O presidente da Agetop também lembrou sobre a crise do lixo e o convênio assinado entre o governo de Goiás e o petista. Segundo declarações de Jayme Rincón, o governo repassou R$ 5,8 milhões para a compra de novos caminhões de lixo, mas Paulo Garcia demorou 45 dias para entregar a documentação. “No último dia estabelecido como prazo, ele ainda passou o número da conta errada. Havia problemas com as certidões e o governador não iria autorizar nada que desobedecesse a legislação.”

Ele ainda criticou a administração de Paulo Garcia, que chamou de “inabilidade frente à Prefeitura de Goiânia”. De acordo com Jayme Rincón, o prefeito é o responsável por tornar Goiânia em um “amontoado de lixo”.

Ainda sobre a falta de conhecimento que o petista teria sobre o que acontece em Goiânia, o dirigente concluiu sua resposta às críticas com um convite. “Convido o Paulo Garcia a dar uma volta pela cidade para conferir os benefícios que Marconi Perillo trouxe para a capital que ele deveria administrar com mais seriedade”, rebateu.