Paulo Carneiro descarta disputar cargo eletivo no Tocantins

Recém-empossado presidente da Faet/Senar e do Avante estadual, o pecuarista diz que estará nas eleições com foco na formação de uma chapa competitiva para a Assembleia e a Câmara dos Deputados

Paulo Carneiro presidente da Faet e do Avante no Tocantins | Foto: Divulgação

Apesar de cotado, Paulo Carneiro, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Tocantins (FAET) e da Comissão Provisória do Avante do Tocantins, descarta disputar as eleições deste ano, que acontecem em outubro. O foco do político será a formação de uma chapa competitiva na disputa pelas cadeiras da Assembleia Legislativa do Tocantins (Alto) e da Câmara dos Deputados, em Brasília. Nome da senador Kátia Abreu (PP-TO), o ex-vereador pela cidade de Almas, ex-presidente do Sindicato Rural da mesma cidade por cinco mandatos e ex-vice-presidente do sistema Faet/Senar durante três gestões, era cotado para disputar o cargo de deputado estadual.

Mesmo não querendo ter o nome nas urnas, o recém-empossado presidente da Faet/Senar entende que o agronegócio não pode ficar de fora do processo eleitoral do estado. “Temos condições de lançar bons nomes tanto pra ser candidato a deputado estadual como federal e será do agro que irão surgir nomes a altura do nosso segmento”, destacou. Apesar de não adiantar nomes, ele acredita que o Avante tem chance de formar uma bancada do agronegócio na Assembleia do Tocantins e de oferecer nomes de peso para o grupo que defende o agro em Brasília.

Paulo também defende que o agronegócio tocantinense busque e articule a indicação do nome para a vaga de vice-governador na chapa de Wanderlei Barbosa (sem partido), que tentará a reeleição. Wanderlei foi eleito vice-governador no último pleito estadual, mas assumiu o cargo de governador definitivamente após a renúncia de Mauro Carlesse (PSL). O governador eleito de fato foi afastado do cargo em outubro e se tornou alvo de um impeachment depois que investigações da Polícia Federal (PF) indicaram participação dele em um esquema de recebimento de propinas. Carlesse também é acusado de interferir na Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), ao fazer inúmeras trocas de comandados. Com a ascensão de Wanderlei, Carneiro acredita que o setor, por meio de aliados e da entidade que preside, tem condições de bancar um nome para vice durante o processo eleitoral deste ano. O nome que representaria o agro tocantinense na majoritária do Executivo, no entanto, ainda não foi definido.

Natural de Buritizal, em São Paulo, Carneiro reside no Tocantins há 33 anos e, filho de produtor rural, sempre foi um dos nomes mais ativos nas pautas relacionadas ao agronegócio. Não por acaso, é considera um aliado de primeira hora de Kátia Abreu. O pecuarista assumiu a direção estadual do Avante na última quarta-feira, 16, depois da breve gestão de Laurez Moreira (PDT). Apesar de ter tentando manter o comando da agremiação, a senadora bancou o nome de Paulo Carneiro, venceu a queda de braço e encurtou para meros cinco meses a gestão de Laurez à frente do Avante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.