Parlamentares de Goiás divergem sobre situação de Cunha

“Chacota”, “atacado” e ” insustentável” são termos usados por goianos ao avaliarem situação do presidente da Câmara, que enfrenta processo no Conselho de Ética

Fabio Sousa (esq), Jovair Arantes e Marcos Abrão | Fotos: Facebook e Divulgação

Fabio Sousa (esq), Jovair Arantes e Marcos Abrão | Fotos: Facebook e Divulgação

Enquanto aliados de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) procuram integrantes do Conselho de Ética e líderes de bancada a fim de assegurar votos necessários para mantê-lo como presidente da Câmara dos Deputados, o deputado federal goiano Fabio Sousa (PSDB) considera como crítico o momento do peemedebista.

“A situação se tornou insustentável, pois ele está sem condições de continuar na presidência. As justificativas não colam e pareceram até chacota”, avalia o tucano, em entrevista ao Jornal Opção. O peessedebista refere-se, especialmente, à declaração em que Cunha nega ser o dono do dinheiro em contas da Suíça. Os valores, segundo o presidente, são resultado de negócios próprios no exterior.

Apoiadores de Cunha têm cobrado de aliados antigos favores, como cargos, indicações e auxílios financeiros a campanhas. O objetivo é convencer o relator do caso, Fausto Pinato (PRB-SP), a propor pena mais branda — quem preside o colegiado é José Carlos Araújo (PSD-BA). Porém, Sousa não acredita em uma possível recuperação do peemedebista. “Infelizmente deveremos ter a queda de mais um presidente”, finaliza o goiano.

Cunha já foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelos supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de ter recebido propina no valor de pelo menos US$ 5 milhões para viabilizar a construção de dois navios-sondas da Petrobras, no período entre junho de 2006 e outubro de 2012.

Sondagem

Entre os responsáveis pela busca do convencimento estão André Moura (PSC-SE), Paulinho da Força (SD-SP) e o goiano Jovair Arantes (PTB). Forte aliado de Cunha, o presidente da sigla petebista no estado afirma estar bem inserido no contexto da Câmara. “O momento é delicado e temos que entender, pois é um momento seletivo. Só ele está sendo atacado. Temos cerca de 40 na mesma situação”, analisa.

À reportagem Jovair arrisca falar ainda sobre uma possível sucessão a Cunha: “Naturalmente, tenho perspectiva como candidato à presidente. Mas não posso precipitar qualquer processo, saindo igual doido pedindo votos para, depois, perder. É melhor deixar para 2017 [quando ocorre nova eleição]”.

Licenciar

Já o deputado Marcos Abrão, dirigente do PPS estadual, defende que Cunha se licencie da presidência para dedicar tempo a sua defesa. “A Câmara deveria ser liderada por outro nesse momento. Não sou nenhum jurista para julgá-lo, mas penso que seria mais legítimo. O País precisa muito do Congresso para sair desta eterna crise com o governo federal.”

Uma resposta para “Parlamentares de Goiás divergem sobre situação de Cunha”

  1. Avatar Epaminondas disse:

    A manutenção de Cunha é a manutenção do acordo de “cessar fogo amigo” entre ele e Dilma. Ambos encrencados, ambos dependendo um do outro para se manter no poder, enrolados até o pescoço.

    Deputados goianos deveriam refletir o eleitorado, majoritariamente contra o PT, em trabalhar para cair este acordo espúrio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.