“Paralisia na economia” não é culpa do Congresso, diz Eduardo Cunha

Em série de mais de quinze postagens no microblog, peemedebista volta a atacar governo da presidente Dilma Rousseff (PT), com quem rompeu pessoalmente

Pelo Twitter, Eduardo Cunha pediu que Câmara interpele advogada | Foto: Reprodução/Twtitter

Pelo Twitter, Eduardo Cunha pediu que Câmara interpele advogada | Foto: Reprodução/Twtitter

Rompido pessoalmente com o governo da presidente Dilma Roussef (PT) após ser citado na Operação Lava Jato, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), voltou a fazer duras críticas à equipe econômica da petista neste sábado (1º/8). Segundo ele, o Congresso Nacional não tem responsabilidade pela “paralisia” em que se encontra a economia do País.

“Na Câmara todas as propostas do ajuste fiscal foram aprovadas de forma celere”, disse, emendando em outro post que “não é culpa do Congresso a paralisia da economia, a recessão, os juros elevados e a queda de arrecadação pela situação de descontrole”. Para o presidente, o governo não cortou gastos e “só reduziu os investimentos”. “Poderia ter reduzido ministérios e os cargos de confiança da sua máquina”, sugeriu o peemedebista.

Eduardo Cunha aproveitou para comentar a entrevista da advogada criminalista Eduarda Catta Preta. Responsável por nove acordos de delação premiada de réus na Operação Lava Jato, ela fechou seu escritório e abandou os processos em que atuava. “Determinarei à Procuradoria Parlamentar da Câmara que ingresse com a interpelação judicial semana que vem, independente da CPI”, informou o presidente.

Catta Preta disse em entrevista à Rede Globo na última quinta-feira (30/7) que tomou as atitudes por se sentir ameaçada por integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.