Para Wesley Batista, presidente da JBS, financiamento de campanha é “arriscado”

Presidente da empresa dona da Friboi e irmão de Júnior Friboi (ex-PMDB), ele relata acreditar em um Brasil melhor quando banca candidatos a cargos eletivos

Wesley Batista (à direita), com os irmãos Joseley e Júnior Friboi | Foto: Reprodução

Wesley Batista (à direita), com os irmãos Joseley e Júnior Friboi | Foto: Reprodução

O presidente da JBS, Wesley Batista, afirmou que financiar campanhas políticas no Brasil é, “sem dúvida”, um investimento arriscado, em entrevista exclusiva concedida à BBC Brasil, veiculada na sexta-feira (31/7).

Em conversa com a repórter Ruth Costas na sede da empresa dona da marca Friboi, em São Paulo, ele disse que “espera que o Brasil seja melhor” a partir do financiamento daqueles que disputam cargos eletivos. “Por que a JBS participa em doações de campanha? Porque acredita que, participando, tem condições de apoiar partidos e pessoas que, se ganham, podem contribuir para a gente ter um país melhor. E com um país melhor, automaticamente, a JBS tem um ganho de valor extraordinário”, avaliou.

O presidente da JBS relatou os motivos de doar tanto para a oposição quanto para a situação. “É verdade. Tem um defeito no modelo [de financiamento de campanha] brasileiro. São tantos partidos que você não quer ficar rotulado como um cara que tem partido. Não temos partido. Por exemplo, o finado Eduardo Campos [PSB] era um político no qual achávamos que valia investir. Era promissor”, pontuou, referindo-se ao ex-governador de Pernambuco e presidenciável em 2014, quando faleceu em acidente aéreo.

Ainda segundo o empresário, “idealmente” deveria-se escolher alguns postulantes a cargos, mas prefere não ser rotulado como aliado ou opositor. “É um investimento arriscado, claro. Investimos alguns milhões no Eduardo Campos. Investimos em alguns partidos ou políticos que depois olhamos e falamos: ‘Poxa, erramos. Era melhor o outro candidato’. Isso faz parte. Se eu soubesse e pudesse só acertar”, analisou, ao responder se não seria melhor investir em algum instituo de combate à pobreza ou algo do tipo.

Wesley Batista é irmão de Joesley e José Batista Júnior, o Júnior Friboi, ex-pré-candidato ao governo estadual pelo PMDB fritado pelo então concorrente na disputa eleitoral Iris Rezende, ex-prefeito de Goiânia, ao declarar apoio público ao candidato Marconi Perillo (PSDB), reeleito ao Palácio das Esmeraldas. O comportamento rendeu a ele a expulsão do partido recentemente.

De acordo com o texto, desde o ano passado a JBS superou a Vale como a maior empresa privada do Brasil, após aumento de 30% nas vendas. O conteúdo detalha que a maior produtora de carne bovina e a maior processadora de proteína animal do mundo é também a maior doadora de campanha do Brasil, tendo contribuído com mais de R$ 300 milhões nas eleições do ano passado. Em Goiás, a JBS já financiou campanhas de Marconi Perillo e do ex-governador Iris Rezende.

Na entrevista, o irmão de Júnior Friboi fala ainda sobre os rumores de que Lulinha, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seria sócio da empresa, do suposto escândalo de financiamento da empresa pelo BNDES e dos efeitos da Operação Lava Jato.

Leia mais:
Testemunhas de defesa de Friboi alegam perseguição política
Bancada do PMDB na Câmara de Goiânia diverge sobre expulsão de Friboi

Deixe um comentário