Para Wesley Batista, presidente da JBS, financiamento de campanha é “arriscado”

Presidente da empresa dona da Friboi e irmão de Júnior Friboi (ex-PMDB), ele relata acreditar em um Brasil melhor quando banca candidatos a cargos eletivos

Wesley Batista (à direita), com os irmãos Joseley e Júnior Friboi | Foto: Reprodução

Wesley Batista (à direita), com os irmãos Joseley e Júnior Friboi | Foto: Reprodução

O presidente da JBS, Wesley Batista, afirmou que financiar campanhas políticas no Brasil é, “sem dúvida”, um investimento arriscado, em entrevista exclusiva concedida à BBC Brasil, veiculada na sexta-feira (31/7).

Em conversa com a repórter Ruth Costas na sede da empresa dona da marca Friboi, em São Paulo, ele disse que “espera que o Brasil seja melhor” a partir do financiamento daqueles que disputam cargos eletivos. “Por que a JBS participa em doações de campanha? Porque acredita que, participando, tem condições de apoiar partidos e pessoas que, se ganham, podem contribuir para a gente ter um país melhor. E com um país melhor, automaticamente, a JBS tem um ganho de valor extraordinário”, avaliou.

O presidente da JBS relatou os motivos de doar tanto para a oposição quanto para a situação. “É verdade. Tem um defeito no modelo [de financiamento de campanha] brasileiro. São tantos partidos que você não quer ficar rotulado como um cara que tem partido. Não temos partido. Por exemplo, o finado Eduardo Campos [PSB] era um político no qual achávamos que valia investir. Era promissor”, pontuou, referindo-se ao ex-governador de Pernambuco e presidenciável em 2014, quando faleceu em acidente aéreo.

Ainda segundo o empresário, “idealmente” deveria-se escolher alguns postulantes a cargos, mas prefere não ser rotulado como aliado ou opositor. “É um investimento arriscado, claro. Investimos alguns milhões no Eduardo Campos. Investimos em alguns partidos ou políticos que depois olhamos e falamos: ‘Poxa, erramos. Era melhor o outro candidato’. Isso faz parte. Se eu soubesse e pudesse só acertar”, analisou, ao responder se não seria melhor investir em algum instituo de combate à pobreza ou algo do tipo.

Wesley Batista é irmão de Joesley e José Batista Júnior, o Júnior Friboi, ex-pré-candidato ao governo estadual pelo PMDB fritado pelo então concorrente na disputa eleitoral Iris Rezende, ex-prefeito de Goiânia, ao declarar apoio público ao candidato Marconi Perillo (PSDB), reeleito ao Palácio das Esmeraldas. O comportamento rendeu a ele a expulsão do partido recentemente.

De acordo com o texto, desde o ano passado a JBS superou a Vale como a maior empresa privada do Brasil, após aumento de 30% nas vendas. O conteúdo detalha que a maior produtora de carne bovina e a maior processadora de proteína animal do mundo é também a maior doadora de campanha do Brasil, tendo contribuído com mais de R$ 300 milhões nas eleições do ano passado. Em Goiás, a JBS já financiou campanhas de Marconi Perillo e do ex-governador Iris Rezende.

Na entrevista, o irmão de Júnior Friboi fala ainda sobre os rumores de que Lulinha, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seria sócio da empresa, do suposto escândalo de financiamento da empresa pelo BNDES e dos efeitos da Operação Lava Jato.

Leia mais:
Testemunhas de defesa de Friboi alegam perseguição política
Bancada do PMDB na Câmara de Goiânia diverge sobre expulsão de Friboi

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.