Regra foi estabelecida após decreto permitindo retomada. Presidente do sindicato da categoria explica protocolo e diz esperar novas flexibilizações

As academias da capital estão em processo de preparação para retomar as atividades nesta terça-feira, 14, buscando adaptações às regras estabelecidas pela Prefeitura de Goiânia. Além de não poderem exceder 30% da lotação, será necessário barrar o acesso de alunos que compõem o grupo de risco para a Covid-19.

[relacionadas artigos=”268045″]

Ao Jornal Opção o presidente do Sindicato das Academias de Goiás, Denis Dias, explicou que para a regra estão incluídas pessoas acima de 60 anos e ou com doenças crônicas, como cardiopatia e diabetes, mais vulneráveis a possíveis infecções pelo novo coronavírus.

Conforme explica Denis, as academias exigem atestados médicos, o que é determinado por lei. “É o que estou fazendo nesse momento, verificando os atestados dos meus alunos e ligando para aqueles que não poderão participar das aulas”, conta o presidente do sindicato, que também é proprietário de uma academia.

Apesar de concordar com a necessidade de limitação aos grupos de risco com doenças crônicas, Denis Dias conta que sobre os maiores de 60 anos há ressalvas. “Eu tenho alunos com mais de 60 anos com saúde plena”, considera.

“Mas é o que a gente sempre pediu, precisamos começar a trabalhar. Tudo começa do pouco. Temos que acompanhar a evolução do problema, aí teremos condições de evoluir na flexibilização. Se a gente se descuidar, a doença avança e podemos ter que fechar novamente”, finaliza o presidente.