Para diretor de operações Michael Ryn, país conseguiu estabilizar quantidade de casos, mas “o vírus continua estabelecendo as regras e controlando a situação”

Foto: Reprodução

De acordo com Michael Ryan, diretor de operações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil apresenta estabilização dos casos de coronavírus nos últimos dias e, com isso, tem a oportunidade de tentar controlar a doença.

Ele reforçou que apesar disso, a taxa de transmissão ainda não conseguiu ser reduzida e pediu que as autoridades comecem a agir para que isso ocorra, senão não há garantias de perda de força da pandemia no país.

“Não estamos vendo o aumento que tivemos no mês de abril e maio, quando vimos uma taxa elevada de crescimento”, afirmou Ryan ao dizer que os números diários estão em cerca de 40 a 45 mil casos. Essa estabilização é considerada pela OMS como um platô. “O Brasil ainda está no meio da luta”, avaliou.

Ele também lembrou que dentre as contaminações no Brasil, 11% são entre profissionais da saúde. “Os trabalhadores do setor de saúde estão pagando o preço mais alto”, apontou.

Apesar da queda na taxa de reprodução do vírus, que atualmente estaria em 0,5 e 1,5 (já esteve com 2), “o vírus continua estabelecendo as regras e controlando a situação”, avaliou.