Para deputados goianos, pautas impopulares e submissão explicam índice de 44% de reprovação do Congresso

Pesquisa Datafolha mostra que avaliação negativa do Legislativo se aprofundou na comparação ao levantamento anterior, de julho, quando 38% desaprovavam a atuação dos congressistas. E apenas 13% consideram atuação dos parlamentares ótima ou boa

De acordo com a pesquisa do Datafolha, para 44% dos brasileiros o trabalho de deputados federais e senadores é ruim ou péssimo. A avaliação negativa do Legislativo se aprofundou na comparação ao levantamento anterior, de julho, quando 38% desaprovavam a atuação dos congressistas.

Em meio à crise institucional provocada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), apenas 13% consideram atuação dos parlamentares ótima ou boa. A pesquisa do Datafolha foi realizada de 13 a 15 de setembro, na qual foram ouvidas 3.667 pessoas com mais de 16 anos em 190 cidades. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Para o deputado Elias Vaz (PSD), a avaliação negativa está diretamente ligada as pautas impopulares em tramitação no Congresso Nacional. “A questão da flexibilização da licença ambiental, a privatização dos Correios e a questão da reforma administrativa que traz profundos prejuízos para os trabalhadores. É óbvio que a população não pode se sentir representada com um Congresso que não vota em uma pauta que seja realmente para resolver os principais problemas do povo brasileiro”, pontuou.

Para Elias Vaz, o governo Bolsonaro “está afundando e levando junto a imagem do Congresso, que tem acompanhado as pautas anti-povo. Infelizmente, os parlamentares tem votado, de forma sistemática, as pautas colocadas pelo governo, em troca de emendas e com a política do toma lá, dá cá”.

De acordo com o deputado delegado Waldir Soares (PSL), o descontentamento com a atuação dos congressistas está relacionada a submissão do parlamento a outros poderes, permitindo o ativismo judicial, medidas provisórias do presidente da República e a dependência de parte do parlamento ao executivo através de cargos e emendas. Além do excesso de privilégios como auxílio moradia, apartamento funcional, auxílio telefone, contratação de serviços disponíveis no Congresso.

Rubens Otoni (PT) afirma que quanto mais dependente o Legislativo está do Executivo, menos credibilidade tem na sociedade. “A aliança de Bolsonaro com o centrão através do presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) depõe contra a Câmara dos Deputados”.

De acordo com Zacharias Calil (DEM), a crise da pandemia contribuiu negativamente para a imagem do Congresso, devido ao problemas causados na economia. “A alta dos combustíveis, o voto impresso que não passou, a polêmica envolvendo o STF, os vários pedidos de impeachment contra o presidente da República e a medida provisória das Fake News que foi devolvida, isso desagrada os eleitores de ambos os lados.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.