Para cientista político, PSDB precisa sair de cima do muro e se posicionar

Robert Bonifácio diz que o partido precisa decidir se apoiará ou não o governo Bolsonaro

Robert Bonifácio, cientista político

Após um péssimo desempenho nas últimas eleições, o PSDB precisa, primeiramente, se posicionar sobre o apoio ao governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Essa é a opinião do cientista político e professor da Universidade Federal de Goiás, Robert Bonifácio. Para ele, o momento agora é de sair de cima do muro e se posicionar.

“Acredito que seja interessante para o partido fazer parte do governo Bolsonaro, eleito com uma certa popularidade, mas deve tomar cuidado para não ser visto como um partido fisiológico, afinal, ele também participou do governo Temer”, avaliou.

Robert analisa que o baixo desempenho e enfraquecimento do PSDB, em Goiás, possa estar ligado a dois fatores importantes. A prisão do ex-governador Marconi Perillo (PSDB) e a vitória acachapante do opositor Ronaldo Caiado (DEM) a governador. “Se analisarmos esses fatores, estar no PSDB não é uma boa vitrine política para ninguém, isso pode explicar uma possível debandada do partido”, disse o cientista.

Mas, para ele, nem tudo está perdido para o partido, que elegeu 28 deputados federais, uma boa estrutura nacional e a vitória de nomes importantes para os governos de São Paulo e Rio Grande do Sul, João Dória e Eduardo Leite, respectivamente. “O cenário das eleições de 2020 vai depender do desempenho desses dois tucanos”, disse ao afirmar que o sucesso deles poderá fortalecer o partido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.