Para Anselmo Pereira, rejeição a outros candidatos beneficia Vanderlan

De acordo com presidente da Câmara Municipal, baixo índice de reprovação a pessebista traz grandes oportunidades de crescimento do ex-prefeito de Senador Canedo

O presidente da Câmara Municipal, Anselmo Pereira (PSDB), garantiu neste domingo (11/9) que o crescimento de Vanderlan Cardoso (PSB) nas pesquisas de intenção de voto já era esperado. “O nome de Vanderlan é manifestado de forma espontânea por onde passamos”, garantiu o vereador e candidato à reeleição.

Neste domingo (11) foi divulgada pesquisa Serpes que mostrou um crescimento na preferência do eleitorado pelo candidato pessebista. Vanderlan Cardoso alcançou 21,1% das intenções de voto, após ter alcançado 17% na pesquisa divulgada na última semana. De acordo com Anselmo, as propagandas no rádio e na TV vêm trazendo esses resultados.

“Elas [as propagandas] estão sendo definitivamente o ponto de decisão do eleitor que olha e vê propostas exequíveis. Assim, o eleitor toma a decisão e raciocina que esse é o caminho de administrar Goiânia, sem propostas mirabolantes. Vanderlan mostra que é possível administrar com criatividade, competência e austeridade”, defendeu.

Segundo o presidente da Câmara, Vanderlan é uma esperança de gerência para Goiânia e o eleitor quer um gerente, não um político. Ele afirmou ainda que o trabalho do pessebista em Senador Canedo começa a refletir para o eleitorado e as pessoas começam a entender que o modelo de administração que deu certo lá, pode ser repetido na capital.

Segundo turno

A pesquisa Serpes criou ainda cenário de segundo turno: Iris Rezende (PMDB) e Vanderlan e Iris e Delegado Waldir (PR). As duas disputas seriam vencidas pelo decano peemedebista: a primeira com 46,8% contra 35,1% das intenções de voto e a segunda com 52,7% contra 24,8%.

Anselmo destacou que um aspecto importante em um eventual segundo turno é a rejeição dos candidatos. “Quem tem maior rejeição tem perigo de perder bastante voto”, explicou. Neste quesito, Vanderlan sai em vantagem: enquanto o candidato do PMDB tem cerca de 22% de reprovação do eleitorado, o pessebista tem 14,3%, sendo o candidato menos rejeitado.

“É natural que o Iris tenha mais rejeição, mas o que o eleitorado rejeita não é contra a pessoa do Iris, mas o tempo na vida pública”, defendeu o vereador. De acordo com ele, quanto mais tempo na política, maior a desaprovação e Vanderlan não tem essa desvantagem, tendo todas as possibilidades de um crescimento extraordinário. “O eleitor se deixa conduzir pelo racional. No segundo turno, o voto daqueles que rejeitam migra para o menos rejeitado”, explicou.

Por fim, Anselmo disse que o objetivo da campanha é conquistar os votos da camada indecisa, que soma 11,3% do eleitorado. Segundo o presidente da Câmara é mais fácil conquistar quem ainda não se decidiu que tentar fazer alguém mudar de lado e que, por isso, Vanderlan deve buscar os votos dessa fatia da população.

Dados da pesquisa

A pesquisa, encomendada e divulgada por J. Câmara & Irmãos S.A./“O Popular” (o resultado saiu na edição de domingo, 11, de “O Popular”), é de responsabilidade do Serpes Pesquisas de Opinião e Mercado Ltda. O levantamento foi registrado na Justiça Eleitoral sob o protocolo de número GO-07584/2016. O instituto ouviu 601 eleitores, entre 6 a 9 de setembro de 2016. A margem de erro é de 4 pontos porcentuais para mais ou para menos. O intervalo de confiança é de 95%.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.