Para Adhemar Santillo, candidato do PSDB à prefeitura não deve ser escolhido agora

Ele ainda afirmou que Frederico Jayme, que pressiona pelo anúncio precoce do deputado federal Alexandre Baldy, chegou ao partido para “ser soldado”

Ex-prefeito Adhemar Santillo discorda com a antecipação de nome de Baldy | Foto: Reprodução/Facebook

Ex-prefeito Adhemar Santillo discorda com a antecipação do nome de Baldy | Foto: Reprodução/Facebook

O ex-prefeito de Anápolis Adhemar Santillo (PSDB) não concorda com a antecipação da candidatura do deputado federal Alexandre Baldy (PSDB) à prefeitura da cidade. Ele já ocupou o Paço Municipal pelo PMDB do ex-governador Iris Rezende (1986-1988) e pelo PSD do secretário de estado Vilmar Rocha (1997-2000).

“Não compartilho com essa ideia. Tudo tem sua hora para ser definido. Nada impede algum filiado de se colocar como pré-candidato. Mas essa discussão [sobre o nome a ser escolhido] será feita em momento adequado, que não é agora”, disse, em entrevista ao Jornal Opção Online.

Segundo o ex-prefeito, o objetivo principal é formar chapa de vereadores, independente de quem será o candidato à cabeça da chapa. “Temos hoje oito pré-candidatos e isso é ótimo. Cada um vai trazendo suas lideranças, pois queremos o maior número de filiados até outubro deste ano. Melhor, inclusive, se já tivéssemos fechado só em um grupo”, sustenta.

A tese é de que, se antecipar o nome do prefeitável, o PSDB pode correr o risco de desagradar aliados e ficar sem candidatos fortes à Câmara Municipal — onde tem apenas dois vereadores, Fernando Cunha e Miriam Garcia.

Ex-deputada estadual Onaide Santillo, esposa de Adhemar que foi filiada ao PMDB, é cotada para a disputa. O anúncio precoce do nome de Baldy tem sido cobrado pelo ex-deputado Frederico Jayme — que deixou o PMDB para filiar-se ao PSDB após anunciar apoio à reeleição do atual governador.

Enquanto isso, Baldy avalia que é cedo para qualquer definição. “Frederico Jayme tem que colocar pressão do tempo no governador e não em mim.”

A recusa de Adhemar está ligada diretamente às intenções de Onaíde em ser a escolhida nas convenções como a candidata tucana. “Não tenho nada contra e nem à favor [de Jayme e Baldy]. Qualquer filiado pode ser pré-candidato. Agora, todos são candidatos de si mesmo”, argumentou.

Onaide tentou nova vaga na Assembleia Legislativa em 2014, mas não foi eleita. Ela conquistou 15.138 votos, ficando atrás de José de Lima (PDT) e Carlos Antônio (SD). Já Baldy teve 29.342, ficando atrás apenas de Rubens Otoni (PT).

O ex-prefeito tem realizado reuniões para definir a formação de chapa à Câmara de Vereadores de Anápolis — Baldy participou da última, realizada na segunda-feira (24). Jayme não foi convidado para o encontro.

“Ser soldado”

Ainda sobre a recente pressão feita por Jayme para que Baldy anuncie sua candidatura, Adhemar comenta que o ex-peemedebista filiou-se ao PSDB para “ser soldado” da legenda. “Independente de quem seja escolhido como candidato do partido”, observa.

Jayme é um dos ex-filiados ao PMDB e deixou a sigla após anunciar apoio à campanha de reeleição do atual governador.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.