Pandemia gera retração de 9,7% do PIB no segundo trimestre de 2020

Quadro só não foi mais catastrófico devido à adoção de medidas econômicas para mitigar a crise. Dentre elas, destaca-se o auxílio emergencial aos mais pobres e trabalhadores informais

Foto: Reprodução

A pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19) trouxe sérios impactos à economia brasileira e mundial. Apesar da tímida retomada econômica registrada especialmente nos meses de junho e julho, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro apresentou uma retração de 9,7% quando comparado aos três primeiros meses do ano passado.

A retração, por sinal, é a maior da autal série histórica do IBGE, iniciada no ano de 1996. Conforme mostrado pelo jornal paulista Estadão, a Fundação Getulio Vargas (FGV), por sua vez, diz que não há um registro de um trimestre com desempenho pior desde o ano de 1980.

Ao Estadão, o professor do Departamento de Economia da PUC-Rio, Eduardo Zilbermann considerou que o quadro catastrófico só não foi pior devido as medidas adotadas pelo governo na intenção de mitigar a crise. Dentre elas, destaca-se o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600,00 ao mês aos mais pobres e trabalhadores informais.

Segundo o jornal paulista, desde junho, estudos têm apontado que os pagamentos de emergência chegaram a elevar a renda dos mais pobres, reduzindo, temporariamente, a pobreza. Ainda assim, conforme a reportagem, esse impulso não impediu o tombo de 12,5% no consumo das famílias ante o primeiro trimestre.

Em valores correntes, o PIB do no segundo trimestre de 2020 totalizou R$ 1,653 trilhão, sendo R$ 1,478 trilhão em Valor Adicionado (VA) a preços básicos e R$ 175,4 bilhões em Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios. A taxa de investimento no segundo trimestre de 2020 foi de 15,0% do PIB, ficando abaixo da observada no mesmo período de 2019 (15,3%).

No 1º semestre, o PIB caiu 5,9% em relação a igual período de 2019. Nesta comparação, houve desempenho positivo para a Agropecuária (1,6%) e quedas na Indústria (-6,5%) e nos Serviços (-5,9%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.