Paisagista espancada por quatro horas mostra seu rosto após 14 dias da agressão

Elaine Caparroz desabafa sobre momentos de terror que passou nas mãos de Vinícius Batista

Francisco Costa

Elaine Caparroz, paisagista de 55 anos espancada pelo lutador de jiu-jitsu Vinícius Batista Serra, 27, por quatro horas, no último mês, utilizou suas redes sociais para mostrar como está, atualmente, seu rosto. Na publicação em seu Instagram, ela compartilhou três fotos: uma antes do encontro, uma após e a última, 14 dias após a agressão ocorrida em sua residência, no Rio de Janeiro.

No texto da publicação ela explica a sequência: “A primeira foto foi 10 minutos antes do agressor chegar, enviei para uma amiga para dividir a minha intimidade de como eu estava arrumada para recebê-lo. A segunda foto foi aproximadamente depois de 5 horas e a terceira como estou hoje.” Ainda com as marcas da violência, ela ainda afirma que as feridas são muito maiores do que as fotos mostram. “Eu tive uma queda de hemácias e tive que receber sangue, tive insuficiência renal, perfuração da pleura, fratura na área orbicular, nariz, descolamento de retina, quebrou um dente na raiz, vários hematomas no rosto, braços, pescoço e cinco mordidas pelos braços e uma nos dedos. Ainda tenho lembranças dos momentos horríveis que passei implorando por socorro nas mãos do meu algoz.”

Confira a publicação na íntegra:

View this post on Instagram

Hoje estou com coragem de mostrar o que estou vivendo. A primeira foto foi 10 minutos antes do agressor chegar, enviei para uma amiga para dividir a minha intimidade de como eu estava arrumada para recebe-lo. A segunda foto foi aproximadamente depois de 5 horas e a terceira como estou hoje. Mas digo que as feridas são muito maiores do que as fotos mostram. Eu tive uma queda de hemácias e tive que receber sangue, tive insuficiência renal, perfuração da pleura, fratura na área orbicular, nariz, descolamento de retina, quebrou um dente na raiz, vários hematomas no rosto, braços, pescoço e 5 mordidas pelos braços e uma nos dedos. Ainda tenho lembranças dos momentos horríveis que passei implorando por socorro nas mãos do meu algoz. Apesar de tudo decidi escolher ser forte!!! Quero me recuperar o mais breve possível e poder ajudar todas as mulheres para que evitem passar pelo que eu passei! Estou pesquisando sobre o assunto e contando com ajuda de amigos para saber qual é a melhor forma de colaborar. Por enquanto divido com vocês a minha experiencia para que sirva de alerta e seja útil de alguma forma para ajudar as mulheres que sofrem de violência doméstica e também psicológica! Nesse momento é o que posso fazer. Peço que tenham coragem para evitar que isso aconteça com você ou com uma amiga que conheçam! Vamos nos unir! Se ouvir um pedido de socorro por favor atendam imediatamente! Ajudem as vítimas! Denunciem! Nem uma a menos! Juntas somos mais fortes! Conto com vocês! 🙏🐛🦋💖 Obrigada!!!!!

A post shared by Elaine Caparroz (@elaine_caparroz) on

Receptividade

As mensagens à Elaine eram praticamente todas de apoio. “Sua força é incrível”, disse uma internauta. “Torcendo por você, por sua melhora”, publicou mais uma. “Logo você estará totalmente recuperada! Física e emocionalmente”, e “me solidarizo ao seu sofrimento e fiquei perplexa com tudo isso”, foram algumas outras.

Mas tiveram, ainda, as de revolta e com pedidos de justiça: “Justiça, mantenha esse misógino maldito preso” e “que haja justiça para esse canalha apodrecer na cadeia”, são alguns exemplos.

Suspeito

Vinícius Serra, que é também estudante de direito está preso preventivamente por tentativa de homicídio triplamente qualificado (meio cruel, mediante dissimulação e contra mulher por razões da condição de sexo feminino – feminicídio). Ele chegou a alegar como justificativa, em depoimento, um surto após beber vinho durante o jantar com a vítima. Apesar de ter ficado no Hospital Penal Psiquiátrico Roberto Medeiros, foi transferido para a unidade prisional normal após avaliação psiquiátrica que constatou ausência de problemas mentais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.