Padrasto e mãe de menina de oito anos são condenados por estupro e omissão

Homem abusou da enteada por dois anos. A mãe sabia das agressões, tendo inclusive presenciado algumas delas, e nada fez. Outra garota também foi vítima do homem

| Foto: Divulgação

Decisão da juíza Placidina Pires determinou 22 anos de reclusão para o homem e nove anos e quatro meses para a mãe da menina| Foto: Divulgação

A Justiça condenou o padrasto e a mãe de uma menina de oito anos pelo estupro da criança durante dois anos. O homem foi condenado ainda por praticar o mesmo ato com a filha de nove anos de uma vizinha. No total, a pena será de 22 anos de reclusão. A mãe foi sentenciada a nove anos e quatro meses de prisão por ter se omitido mesmo ao presenciar as agressões sofridas pela filha.

A decisão foi da juíza Placidina Pires, da 10ª Vara Criminal de Goiânia. Os dois cumprirão pena em regime fechado. “Mesmo após ter presenciado o marido manter relações sexuais com a filha, ter o dever e o poder de agir neste caso, sem risco pessoal, a acusada nada fez para impedir o resultado lesivo porque tinha medo de perder o companheiro”, afirmou a juíza na decisão.

O homem molestou a menina por diversas vezes entre os anos de 2012 e 2014. Quando procurou a mãe para pedir ajuda, recebeu como resposta um conselho da mulher para que ela tivesse paciência e sentisse pena do padrasto, que estava com o “diabo” no corpo.

Em 2013, a mãe de uma menina de nove anos a deixou na casa dos condenados para que ela fosse à Igreja, mas sua filha acabou sendo vítima do mesmo crime. Ele estuprou as duas crianças e deu à mais velha R$ 100 em moedas para que ela não denunciasse a agressão.

O caso só se tornou conhecido pelo Conselho Tutelar em 2014, quando a garota denunciou as agressões à irmã, que morava em outro estado. A irmã contou a história à um irmão e os dois foram atrás das autoridades competentes para que elas tomassem providências.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.