OS investigada pela Polícia Federal foi desclassificada em disputa por gestão da Policlínica de Posse

Governo do Estado explicou que a OS alvo da Operação Dardanários deflagrada nesta quinta-feira, 6, sequer poderia participar da disputa devido aos problemas enfrentados junto ao TCE

Policlínica de Posse / Foto: SES

A organização social Pró-Saúde — que se encontra sob investigação da Polícia Federal (PF) — atua como uma associação beneficente de assistência social e hospitalar e disputou, no início deste ano, a gestão da policlínica de Posse, no nordeste goiano.

No entanto, a OS terminou desclassificada ainda na primeira fase do certame. Ao Jornal Opção o governo do Estado explicou que a OS sequer poderia participar da disputa devido aos problemas enfrentados junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-GO).

O imbróglio é referente a prestação de contas em gestões anteriores. Vale lembrar que a entidade foi gestora do Hospital de Urgências da Região Sudoeste (Hurso) entre os anos de 2010 a 2017, durante os mandatos dos ex-governadores Alcides Rodrigues e Marconi Perillo.

À época, tal contrato de prestação de serviço terminou suspenso por uma recomendação do próprio TCE que desconfiava de irregularidades na gestão da entidade. Atualmente, a OS ainda mantém alguns contratos no Estado, firmados com o Hospital de Caridade São Pedro d’Alcântara, na cidade de Goiás, e com o Pio X, em Ceres.

A Polícia Federal investiga, agora, os contratos firmados entre a OS e o Hurso, bem como a Junta Comercial Goiana (Juceg) e Fundação Nacional de Saúde (Funasa/Fiocruz).

Apuração

As autoridades chegaram aos alvos a partir de uma delação feita por ex-diretores da Pró-Saúde. O Ministério Público Federal (MPF) diz que a propina era repassada na intenção de que os receptores pudessem usar suas influências para interceder em prol da entidade e realizar o direcionamento de contratos.

Os procuradores sustentam que gestores da OS instituíram um esquema de geração de “caixa 2” na sede da Pró-Saúde. Os suspeitos deram então continuidade ao esquema intermediando os interesses dos ex-diretores da entidade.

A investigação da PF culminou na prisão do ex-ministro e secretário de Transportes do Estado de São Paulo, Alexandre Baldy (PP); do ex-presidente da Junta Comercial do Estado de Goiás (Juceg), Rafael Lousa (PSDB); e um pesquisador da Fiocruz, Guilherme Franco Netto.

Baldy, especificamente, é suspeito de participar do esquema antes de assumir a secretaria do governador João Doria, quando era deputado federal por Goiás.

A Pró-Saúde se manifestou por meio de sua assessoria que enviou uma nota a reportagem. Veja na íntegra:

A Pró-Saúde informa que não participou da concorrência para o gerenciamento de Policlínicas Regionais no Estado de Goiás. No período citado no texto, a entidade já assessorava unidades privadas no Estado, tornando mais restrita à sua atuação em projetos públicos naquele momento.

Sobre o Hospital de Urgências da Região Sudoeste (HURSO), todas as prestações de contas da unidade, no período de gestão da Pró-Saúde, foram entregues ao TCE-GO, no prazo determinado. Alguns formatos dessa entrega, no entanto, estão sendo discutidos judicialmente, haja vista os entraves que o referido Tribunal vem causando à entidade para o não recebimento da aludida prestação de contas.

É importante ressaltar que, ao contrário do mencionado, a entidade nunca firmou contratos ou prestou serviços para a Junta Comercial Goiana (Juceg), Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Por fim, em relação a operação promovida pela Polícia Federal, a Pró-Saúde informa que, desde 2017, tem colaborado de forma irrestrita com as investigações e vem adotando ações para o fortalecimento de sua integridade institucional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.